Tablet ou Livros?

Essa é a seção para conversas gerais sobre RPG, que não são sobre um sistema específico, ou se aplicam a vários sistemas.

Moderador: Moderadores

Avatar do usuário
Leprechau
Mensagens: 151

Re: Tablet ou Livros?

Mensagem#46 » 23 Jul 2013, 15:32

Taverneiro, não uso porque não tenho hábito. Acho chato e frio demais. Estou carregando o calhamaço de GoT volume 03 na mochila e curto muito mais assim mesmo. Sei lá o que acontece mas não vejo a menor empatia em tablets frios cara. Ainda acho que esta coisa ficará restrita a academia e olha lá.
Por enquanto né?
:triste:

Avatar do usuário
Kelzan
Mensagens: 179

Re: Tablet ou Livros?

Mensagem#47 » 24 Jul 2013, 14:07

Uma coisa inquieta realmente os fãs de muitos livros. O porque de não se aceitar bem ainda os readers?

São tantas opções pô.
Uma colinha aqui:

ePUB
O ePUB é o formato mais adotado pelas editoras brasileiras. Sua principal vantagem é a possibilidade de ser adaptado para telas de diversos tamanhos e de aumentar o corpo das letras como desejar. Além disso, ele é aceito em praticamente qualquer dispositivo, seja um e-reader, computador ou smartphone, embora o Kindle, um dos mais populares leitores de livro eletrônico do mercado, não seja compatível com esse formato.
Ele usa código HTML, permitindo que o autor empregue alguns efeitos em seus textos (como negrito, itálico, margem e parágrafo), assim como incluir imagens se julgar necessário.

PDF
Até a popularização dos e-readers, o PDF era o principal formato para digitalização de livros. Ele é uma cópia fiel do design adotado no livro em papel, como se alguém tivesse fotografado ou escaneado cada uma de suas folhas (o que normalmente acaba ocorrendo). Ou seja, se a obra original continha 100 páginas muito grandes, essas características serão mantidas no formato digital.
Embora fiel ao livro em papel, o PDF não é indicado para eBooks. Isso acontece porque ele não pode ser adaptado para telas de formatos diferentes. Não é possível sequer aumentar o tamanho das letras. Geralmente, apenas tablets ou computadores com telas de 9 polegadas, no mínimo, permitem uma leitura agradável.

TXT
O txt é o formato mais simples de todos. Ele constitui-se de texto puro, sem imagens ou qualquer formatação. Não só a leitura pode acabar sendo cansativa por causa disso (imagine ler um texto sem margem de parágrafo bem definida), como também limita a criatividade do autor, que não pode empregar recursos especiais como imagens ou um destaque em negrito, por exemplo. É um formato a se evitar a todo custo. Não à toa as editoras nunca o utilizam.

AZW
Os livros publicados para Kindle usam um formato proprietário da Amazon, chamado AZW. Ele não é muito diferente do ePUB adotado por e-readers concorrentes, mas só pode ser utilizado nos diversos modelos do Kindle ou em um aplicativo próprio para smartphones. Por enquanto, são poucos os títulos disponíveis em português para o Kindle.

iBooks
O iBooks é o formato proprietário da Apple e só é aceito no iPad. Seu principal atributo é o uso de diversos recursos multimídia nas páginas do livro, como vídeos e animações. Um autor bem criativo pode ir muito além do texto para realçar algumas passagens ou até contar uma estória ou fato de uma forma bem diferente, inspirando-se no cinema ou em sites da internet.

A Apple está promovendo o iBooks como uma boa alternativa para livros didáticos, mas o autor pode usar esse formato para criar qualquer tipo de obra literária. A desvantagem é que, assim como no caso do Kindle, iBooks em português ainda são muito raros.

Talvez se alguém criasse um formato UNIVERSAL a coisa andaria mais.
Há realmente a encheção de saco para se baixar algo para os APLLES FAMILYS e isto dá no saco.

Muitos são os fãs e os detratores do sistema.

Prever se o iPad será mesmo o aparelho queridinho nos próximos dez anos ou se um e-reader (aparelho para leitura digital) tem condições de desbancar os tablets parece dúvida sem resposta no terreno da tecnologia. Mas o crescente consumo de conteúdo digital, ao contrário, é consenso. O e-book (livro eletrônico), especialmente, está transformando tanto a indústria de dispositivos móveis como livrarias, editoras e distribuidoras brasileiras.


A Xeriph, espécie de depósito virtual de 5,5 mil e-books que conecta editoras a livrarias, recebia 1 ou 2 títulos virtuais por semana em dezembro de 2010, ano de sua criação. Hoje, são mais de 100. As editoras parceiras, no mesmo período de comparação, saltaram de 20 para 170 - aproximadamente 90% do total de editoras envolvidas na produção de e-books no Brasil.

Esse avanço pode ser visto com nitidez nas livrarias, que agora incorporam em seu quadro de funcionários equipe dedicada apenas aos livros digitais. Na Cultura, o volume de e-books vendidos dobra a cada três meses e a receita desse setor chega a 1% do faturamento total da companhia, R$ 300 milhões no ano passado.

Pouco a pouco. O movimento nas editoras mostra que as prateleiras vagas no ciberespaço serão preenchidas pouco a pouco. A Zahar, uma das primeiras a produzir livros digitais no Brasil, hoje tem 450 e-books em seu catálogo, o equivalente a 1% de seu faturamento. Sextante, Objetiva, Record, Rocco, L&PM e Planeta devem terminar este ano com 1,2 mil livros digitais, distribuídos pela empresa que criaram em conjunto, a Distribuidora de Livro Digital. Sua previsão de faturamento é de R$ 1,5 milhão.

E lembrando que não é simples transformar o arquivo do livro (o encaminhado à gráfica) em e-book. O melhor formato para leitura de livros em aparelhos eletrônicos é o e-pub, cujo custo é de R$ 209 por conversão.

Ou seja, isso pesa para editoras que querem milhares de livros em e-pub. Essa seria a principal razão para a predominância de livros em pdfs no acervo brasileiro.

Agora, se vai pegar mesmo?

Aguardemos. Uma hora as coisas mudam.

Avatar do usuário
ronassic
Administrador
Mensagens: 1776
Contato:

Re: Tablet ou Livros?

Mensagem#48 » 05 Set 2013, 15:19

Realmente Kenzan, notei que não somos somente nós que reclamamos que por enquanto não há nada feito especialmente para RPGistas. Vejam este artigo:

http://fantasy-faction.com/2012/maps-and-ereaders

Resumo tudo o que ele disse neste parágrafo que eu traduzi porcamente:

Por que a tecnologia não pode ser aplicada aos mapas?
Zoom e visão panorâmica são funções muito básicas. E, tanto quanto acessando mapas, eu deveria ter que fazer nada mais do que:
1) Pressionar uma tecla dedicada que me salta de volta para uma página específica, ou
2) Ter uma opção de menu "Ir para o mapa"? Eu realmente não acho que eu estou pedindo muito.


Concordo muito com ele. É triste notar que estamos tão avançados em tecnologia, mas ela não é bem aplicadas em todas as áreas.
"O topo da inteligência é alcançar a humildade."

Avatar do usuário
Trogo
Mensagens: 248

Re: Tablet ou Livros?

Mensagem#49 » 05 Set 2013, 15:39

Sabe porque? Porque depende da iniciativa INDIVIDUAL de um só apaixonado para só depois, então ganhar visibilidade.
Se os astros permitirem.

Voltar para “Dicas & Ideias”

Quem está online

Usuários neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante