Wade In The Water - Capítulo 2

Tales from the Sails. Need I tell you more, you sea weasel?

Moderadores: ronassic, Stephan, Feral, Holygriever, Moderadores

Avatar do usuário
Gabrielle
Mensagens: 114

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#106 » 18 Abr 2012, 00:36

[Off:] Então ela vai continuar observando, tentando descobrir com mais certeza o que aquilo pode ser. Assim que ela ver algo definitivamente ruim, irá levantar o alarme com seu violino.

Avatar do usuário
Rodwolf
Mensagens: 180

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#107 » 18 Abr 2012, 19:43

Quando a caixa abre Evans desvia os olhos do conteúdo por um instante e analisa o elfo caído em combate. Imaginando o que poderia ter acontecido ali, de onde vinham e que tipo de navio Saffron era e quem eram sua tripulação que agora jaziam na companhia do senhor dos mortos. Será que este era seu capitão? A que deus ou deuses eles rezavam? Como encontraram esse destino? E essas criaturas, algo de muito sombrio havia ali.


Voltando para o conteúdo da caixa descobria roupas pesadas e cobertores quentes demais para aquele local, conhecia o clima dali pra entender que o Saffron vinha de ou pelo menos passou uma temporada em um lugar de temperatura quase que extremamente baixa, provavelmente longe dali.



[Evans] Este navio deve ter passado muitas temporadas no mar até chegar aqui, pelo tipo de provisões que tem, enfrentaram um grande frio.



Vasculhando mais o grande caixote acaba por encontrar um cinto carregado com três frascos presos a ele, os pequenos frascos continham uma substância que o clérigo identificou, o líquido era um elixir de propriedades de cura. Não se sentia fazendo isso mas sabia que poderia vir a ser muito útil, pega e prende o cinto a ele.


[Evans] Isso pode muito bem ser o bem mais valioso que poderíamos encontrar.



Então seu companheiro chama sua atenção para a porta que foi verificar.


[Kyjal] - "Droga... trancada...Vamos ter que chamar os outros. Ver se algum deles sabe abrir isso."

[Evans] Vamos tentar lidar com isso, temo não termos muito tempo. E quem sabe o que encontraremos ai, então prepare-se.

Se posiciona ao lado de Kyjal pra forçarem a porta juntos.

[Evans] No três. Um, dois, trÊS.




-----------------------------------------------------------------------------------------------------------


[Off] Ajuda o Kyjal com a porta emperrada.
Última edição por Rodwolf em 18 Abr 2012, 19:46, editado 1 vez no total.
"I'm a Priest, not a Saint."

Avatar do usuário
Holygriever
Mensagens: 233

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#108 » 19 Abr 2012, 20:53

[Leon] Uh, você consegue carregar esses dois fechados? Deixamos no navio e abro com mais calma depois. Arrasto os que estufei como puder até a prancha, e Tomme e os outros dão uma força para atravessar.

- Se consigo carregar essas coisinhas aí? Tá de sacanagem né? Fica olhando.

Meia-Noite estrala os dedos de ambas as mãos, e levanta os dois baús pelas alças laterais, um em cada braço. Apesar de serem pesados, não representavam dificuldade nenhuma ao gigante além das mãos ocupadas.

[Leon] Melhor não perdermos tempo, não sei o que aconteceu aqui, prefiro não arriscar.

- Meia-Noite concorda. Alguma coisa aqui tá muito errada, um mal pressentimento...

O estivador então acompanha o jovem até o convés, carregando a carga.

- Depois que deixarmos estes lá no Licorne, temos que voltar e vasculhar os corpos. Podemos achar mais coisas de valor... ou pistas.
Última edição por Holygriever em 19 Abr 2012, 20:54, editado 1 vez no total.
"Você tem medo do Escuro? Pois deveria."

Meu amor, o meu chão, onde deixei a paixão...
Não me importo, vou voar, o céu você não vai levar...

Leve-me à escuridão, diga que não me verão...
Queime a terra, ferva o mar, o céu você não vai levar...

Serenity a viajar, não há lugar melhor que o lar...
O céu você não vai levar...

Avatar do usuário
Stephan
Mestre de PBF
Mestre de PBF
Mensagens: 237
Contato:

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#109 » 20 Abr 2012, 11:17

A cena não combinava com o ambiente, mas apenas Leon prestava atenção no fato relativamente ridícula: o ladrão tendo tendo trabalho com vários dos baús, enquanto Meia-Noite levava sem problemas os dois enormes baús, um em cada mão.

Como estavam bem próximos, eles logo chegam à prancha para o Licorne. Piccola, de cima, consegue avisar Brenten e Alber dos novos carregamentos, e ajudam os outros dois a passarem os baús. Saber que pelo menos dois dos seus amigos estavam bem dava um alívio para ela, neste momento. Faltavam em torno de cinco minutos para a névoa chegar até eles.

Quando estão voltando para o Saffron, Leon e Meia-Noite escutam um estrondo vindo do andar debaixo. Olhando pela escada, eles vêem Kyjal e Evans arrombando uma porta à força. No convés, ainda faltava a sala do outro lado.

O felino e o clérigo percebem que o que estava impedindo a abertura era uma tábua de madeira, uma tranca simples. Mas o que vêem do outro lado os deixa com um sentimento ruim. A lança do Kuo-Toa trespassou a porta com tanta força que atravessou a tábua e empalou uma mulher, com roupas de governanta (mas preparadas para o mar), perto dos 40 anos, com alguns fios grisalhos invadindo os cabelos castanhos.

A mulher ainda sangrava, e a lança permanecia fincada em seu estômago. Um gemido de dor mostrava que a mulher estava viva... ou melhor, praticamente morta.
Última edição por Stephan em 21 Abr 2012, 15:32, editado 1 vez no total.
"O homem de bem exige tudo de si próprio; o homem medíocre espera tudo dos outros."

- Confúcio

Avatar do usuário
Gabrielle
Mensagens: 114

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#110 » 20 Abr 2012, 12:41

Ao avistar Leon e Meia-Noite, Piccola acena o braço e põe a mão fechada ao lado da boca para melhorar a acústica de sua voz.

[Piccola] - Rapazes, aquela névoa é algo MUITO RUIM. E daqui a poucos minutos chega! Se preparem!

Avatar do usuário
Samiel_Fronsac
Mensagens: 184

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#111 » 20 Abr 2012, 19:46

§ Sentindo os braços doloridos e com o orgulho ferido, o marujo franze e cenho, não deixando espaço para comentários engraçadinhos. Após o grito de Piccola, suspira e diz: §

[Leon] Brenten e Alber, levem os baús para dentro. Vamos fazer uma batida bem rápida na outra sala do Saffron, e caímos fora antes daquela nevóa sinistra nos alcançar! Vamos, MN!

§ Ouve a pancada, vê os colegas arrombando uma porta, e ignora solenemente. Cada um com suas tarefas, e o tempo está contra todos, então corre até a segunda porta do convés. §

[Leon] Vamos, cazzo.

§ Posicionado ao lado da porta, tenta abri-la, se conseguir, faz menção para que Meia-Noite tome a frente; o mesmo caso esteja emperrada. Caso só pareça trancada, tira as ferramentas do bolso e começa a trabalhar; de qualquer modo, puxa o sabre e diz, antes de entrar: §

[Leon] Ainda é melhor que estar enfiado caçando monstros em uma masmorra.

Avatar do usuário
Rodwolf
Mensagens: 180

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#112 » 23 Abr 2012, 22:35

A porta oferecera resistência, mas se abriu com a força combinada do meio gatuno e do homem devoto. Mas o que encontraram tirou por um segundo o sacerdote da realidade, a visão era forte, não muito mais do que já tinha visto, mas ainda assim o impacto da cena colocava toda a sua vivência à prova.


Lá estava a mulher de meia idade, entre a vida e a morte, um sentimento inominado tomava conta do clérigo. A lança da criatura, aquelas criaturas enviadas por alguma força maligna para espalhar o terror. As opções eram limitadas, Evans sabia onde poderia ter que chegar.


[Evans] Odiosos seres, malditos!


Ele tentava segurar a mulher, de alguma forma procurando opções para ajuda-la. Seu deus estava com ele, sabia disso e colocou sua fé no recém achado.


[Evans] Kyjal, me ajude. Temos que removê-la, talvez ainda com a lança, passando o restante através da porta.


Com uma das mãos procura na cintura um dos frascos com a poção que encontrou.


[Evans] Ela está muito fraca, vou tentar uma coisa antes de tentarmos tira-la dai, mas...


Faz uma pequena pausa e leva o frasco até a boca da tripulante gravemente ferida tentado a fazer engolir um pouco da poção.


[Evans] Se isso não funcionar, nos deixe á sós.... Kelemvor, senhor dos mortos, meu soberano nesta terra e na terra além, por que razão colocaste esta alma em meu caminho se não para salvá-la deste tormento? Que tua cura abençoada salve também este corpo.


Olhando fixamente nos olhos da mulher esperava ver alguma reação, alguma chance de que ela ainda pudesse ser salva por completo, caso contrário faria o que tem que fazer, seu dever de sacerdote guerreiro de Kelemvor.
"I'm a Priest, not a Saint."

Avatar do usuário
Feral
Mensagens: 140

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#113 » 24 Abr 2012, 23:29

Enfim uma sobrevivente...

...Mas definitivamente não era hora de comemorar. Pelo visto não podiam perder tempo, ou ela não se manteria "sobrevivente" por mais que instantes.

Um segundo perdido fazendo perguntas poderiam significar perdê-la ali antes de conseguir descobrir qualquer coisa sobre o acontecido...
...E além do mais, era uma pessoa. Salvá-la não era algo que devia ser menosprezado.

Kyjal ajuda o clérigo a reposicionar a sobrevivente, tomando o cuidado de não piorar a situação da lança. Certifica-se de que ela não está presa em mais nada, e que a governanta não está em uma posição que possa ferí-la ainda mais.

Enquanto isso, olha rapidamente ao redor, em busca do que mais possa lhe saltar o interesse. Algo que ela estivesse protegendo além da própría vida, algo que pudesse ser útil para salvá-la...

...Só esperava que tivessem tempo...

Avatar do usuário
Holygriever
Mensagens: 233

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#114 » 27 Abr 2012, 20:46

Meia-Noite passa os baús pesados para o outro navio com ajuda dos dois marujos, mais Leon. Acha graça no esforço do mesmo com os seus pequenos baús, mas não faz piada: sabia que não podia esperar dos outros a mesma capacidade para feitos de força que ele mesmo possuía.


[Piccola] - Rapazes, aquela névoa é algo MUITO RUIM. E daqui a poucos minutos chega! Se preparem!

- Tá bom, pequena, vamos nos apressar!

[Leon] Brenten e Alber, levem os baús para dentro. Vamos fazer uma batida bem rápida na outra sala do Saffron, e caímos fora antes daquela nevóa sinistra nos alcançar! Vamos, MN!

- Na sua cola, marujo! Simbora!

Meia-Noite Segue junto de Leon em direção à outra porta do convés. Tinha a intenção de averiguar o que havia ali rapidamente, para recolherem o que mais for possível. Após seu parceiro averiguar a situação da porta, o gigante espera o sinal do mesmo para agir e o faz de acordo com a situação.

[Leon] Ainda é melhor que estar enfiado caçando monstros em uma masmorra.

- Masmorra, navio, estrada... se tiver alguém querendo seu sangue, que diferença faz? Vamos, Meia-Noite quer acabar logo com isto. Tomara que os outros estejam tendo sorte. Eles arrombando uma porta, devem ter achado algo, espero que bom.
"Você tem medo do Escuro? Pois deveria."

Meu amor, o meu chão, onde deixei a paixão...
Não me importo, vou voar, o céu você não vai levar...

Leve-me à escuridão, diga que não me verão...
Queime a terra, ferva o mar, o céu você não vai levar...

Serenity a viajar, não há lugar melhor que o lar...
O céu você não vai levar...

Avatar do usuário
Stephan
Mestre de PBF
Mestre de PBF
Mensagens: 237
Contato:

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#115 » 28 Abr 2012, 15:08

Kyjal percebe que Evans está muito mais afetado do que ele. Não só pelo desespero de salvar uma vida, mas algo mais. A mente do clérigo passa por tantos ensinamentos da época de aprendizado, quando estudava os cadáveres, a forma de tratar um corpo da forma correta, as formas diferentes de se fazer um funeral, e acima de tudo, os primeiros usos de seus poderes curativos -- ferimentos pequenos, uma briga aqui, um acidente ali.

Mas nunca isso. Nunca alguém nesse estado. Seu conhecimento de cura dizia ao clérigo que a moça estava viva apenas porque a lança, no local, impedia uma hemorragia maior.

Com o maior cuidado possível, ele pega um dos frascos curativos que acabara de saquear. Um filete de sangue no lado da boca da mulher, semi acordada, mostra que é uma manobra perigosa, fazê-la beber o líquido nesse estado. Mas era sua única chance.

O líquido se esvai enquanto desce a garganta da vítima, que acorda num choro audível por todo o barco. Não simplesmente de desespero, não simplesmente de dor, mas de alguém que não compreende o que está acontecendo, e só quer que isso tudo pare.

O ferimento, em volta da lança, começa a dar sinais que vai se fechar. Agora era a hora de retirá-la dali. Mesmo com a poção, os dois marinheiros não sabem se será possível salvá-la.

---------------

Leon e Meia-Noite abrem a porta semi-aberta da outra sala no convés superior. Dentro, vêem três cadáveres de Kuo-Toa, caídos na frente de outro corpo. Um meio-elfo, pernas no chão e ombro apoiado numa mesa, com sua cota de malha trespassada por três espadas que ainda estavam cravadas em seu corpo até o cabo: uma nas costas, que perfurara a omoplata direita; outra direto no seu intestino, e outra logo abaixo do ombro esquerdo, ainda no peito. Próximo dele, se encontrava a lâmina de espada longa quebrada, com o corpo morto ainda segurando o cabo da arma, com a guarda de espada mais linda que qualquer um dos dois já viram.

A mesa, manchada de sangue, trazia uma série de mapas, além de uma caixa com mais papéis menores. Um grande mapa jazia semi-aberto, com uma de suas pontas manchada com o sangue do meio-elfo. Mais um que não morreu sem lutar.

Uma placa, próximo à janela do fundo da sala do capitão, trazia as palavras em Chondatan: "Norte, meu lar eterno, o qual retornarei de novo e de novo".

E então, eles escutam o choro feminino vindo debaixo. Leon consegue reconhecer que não era da capitã. Pelo menos isso.

----------------

A ansiedade de Piccola começava a ser muito maior do que qualquer medo que sentira até agora da névoa. Que grito fora aquele? Pelo menos conseguia manter seu olho em Leon e Meia-Noite, até entrarem na nova sala.
"O homem de bem exige tudo de si próprio; o homem medíocre espera tudo dos outros."

- Confúcio

Avatar do usuário
Samiel_Fronsac
Mensagens: 184

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#116 » 30 Abr 2012, 14:26

§ A cena aterradora faz o jovem travar no lugar por alguns segundos. Aquele meio-elfo morrera com bravura que Leon raramente vira, deixando três inimigos a seus pés, sua arma partida como solitária testemunha do feito. §

[Leon] Descanse em paz, certo que seu Deus tem lugar de honra para ti.

§ Afasta os cadáveres dos sapos para um canto à base de chutes, então puxa o meio-elfo com cuidado até o centro da sala, onde cruza os braços do mesmo sobre o peito, e fecha-lhe os olhos. Recolhe então os pedaços da espada. §

[Leon] Vamos ver o que há de interessante por aqui...

§ Estuda o mapa maior rapidamente, tentando determinar se o local de partida e o destino do barco estão marcados de algum modo, e junta o mesmo e os outros da melhor forma que puder, com a caixa; olha para a placa e diz: §

[Leon] O Norte lembrará de vocês.

§ O choro é ouvido, e o marujo se sobressalta, procurando a origem do barulho, que parece ser o convés inferior. Faz um sinal para Meia-Noite, indicando o tumulto. §

[Leon] Pode checar que comoção é essa? Deixe que termino aqui.

§ Faz uma busca geral por coisas escondidas na sala e corpos, volta para a sala anterior e faz o mesmo. Não custa ser diligente, melhor que deixar coisas imporantes para trás. §
Última edição por Alta Vista [Bot] em 30 Abr 2012, 18:53, editado 1 vez no total.

Avatar do usuário
Rodwolf
Mensagens: 180

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#117 » 03 Mai 2012, 20:22

O clérigo não via mais nenhuma opções, fosse como fosse, teriam que fazer agora. A poção mostrava sua ação, não havia volta.

[Evans] Agora, vamos deita-la.

A agonia da mulher não podia ser ignorada, uma parte do sacerdote queria trazer alívio à senhora, mas se houvesse uma chance, tentaria. Já começara.
Com ajuda de Kyjal esperava tira-la dali o mais rápido e suavemente possível.


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

[Off] Tem algum teste pro Evans saber as chances da mulher continuar viva e se recuperar? ou se ele sabe que mesmo que ela sobreviver um ou dois dias só vai sofrer até morrer?
Última edição por Rodwolf em 03 Mai 2012, 20:26, editado 1 vez no total.
"I'm a Priest, not a Saint."

Avatar do usuário
Holygriever
Mensagens: 233

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#118 » 04 Mai 2012, 01:09

- Mas que c...

A cena aterradora faz Meia-Noite estacar por um segundo. O que quer que tenha sido a causa, a brutalidade do ataque àquele navio era de uma escala muitíssimo maior do que a que fora empregada ao Licorne. Se esses homens-peixe tivesse subido à bordo de seu navio... Leon parece ter tido uma reação similar.

[Leon] Descanse em paz, certo que seu Deus tem lugar de honra para ti.

Quando o rapaz começa a afastar os homens-peixe à pontapés, Meia-Noite se aproxima de um dos três cadáveres e o arremessa junto aos demais empurrados por Leon. Observa então enquanto Leon posiciona o meio-elfo de forma mais digna. ele então passa a observar os mapas e demais objetos no local. Os mapas pareciam complexos, então o gigante faz uma varredura rápida pela sala com os olhos à procura de quaisquer outras pistas, objetos fora do lugar ou o que pudesse ver. Algo em uma língua que ele entendesse, diferente da placa de madeira na janela.

E então, ouve o choro feminino.

[Leon] Pode checar que comoção é essa? Deixe que termino aqui.

- Tá, tudo bem. Parece que é mais problema. Não demore muito aqui, a elfinha parecia preocupada com aquela tempestade, e a essa altura ela deve estar quase em cima da gente. Qualquer coisa, o Meia-Noite volta pra avisar. e toma cuidado, a gente ainda não sabe se tem mais alguém nesse navio além de nós e cadáveres.

Meia-Noite então se dirige ao local onde vira Evans e Kyjal aparentemente arrombando uma porta.
"Você tem medo do Escuro? Pois deveria."

Meu amor, o meu chão, onde deixei a paixão...
Não me importo, vou voar, o céu você não vai levar...

Leve-me à escuridão, diga que não me verão...
Queime a terra, ferva o mar, o céu você não vai levar...

Serenity a viajar, não há lugar melhor que o lar...
O céu você não vai levar...

Avatar do usuário
Feral
Mensagens: 140

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#119 » 04 Mai 2012, 09:58

[Kyjal] - "Ah, eu tenho um mau pressentimento..."

Bom, se eles tinham companhia naquele navio, com certeza já haviam informado a todos sobre sua posição. O felino rapidamente fica apreensivo, olhando ao redor, tentando detectar movimentos estranhos.

[Kyjal] - "Padre, faça o que achar necessário. Vou verificar uma coisa."

Após ajudar a deitar a mulher, como o clérigo pedira, Kyjal saca seu sabre de mitral e olha porta afora, procurando movimento e revisando se houve alguma porta que não haviam inspecionado direito. Em seguida examina o que pode dentro do cômodo...

Algo não encaixava...

-------
[OFF]

Basicamente o que foi descrito em on. Kyjal inspeciona o corredor, procura ver se havia portas não-inspecionadas e depois examina o interior do cômodo, procurando por algo que eles não tenham percebido, já que focaram suas atenções 100% na sobrevivente.

Avatar do usuário
Stephan
Mestre de PBF
Mestre de PBF
Mensagens: 237
Contato:

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#120 » 05 Mai 2012, 15:29

Do Ninho do Corvo, Piccola via que Meia-Noite saiu da sala às pressas, sem Leon, para o andar debaixo.

Leon poderia estar se sentindo um abutre na hora, mas o sentimento de respeito por todos aqueles soldados do Norte lhe dava certeza de, de certa forma, estava honrando todos eles.

Sua última procura no cômodo revela pouco. Uma tiara prateada com uma gema rosada encrustada residia numa das gavetas da mesa, além de tinteiros e penas de escrita. O capitão sem sombra de dúvidas era versado em várias línguas, e era querido por alguém: em seu dedo anelar esquerdo, residia uma espécie de aliança discreta, mas com pequenas runas com um brilho azulado também discreto.

Além disso, não encontrara mais nada. Nem mesmo o nome de tal grupo de soldados, nem de que cidade vieram.

Abaixo, Meia-Noite chegara bem no momento em que Kyjal parecia vasculhar o andar em busca de mais portas, sem sucesso. Estavam no último cômodo do andar, que parecia a cozinha, improvisada como uma despensa.

Evans força sua mente a lembrar de tudo o que aprendera, qualquer coisa que pudesse lhe dizer o destino da mulher. Teria o seu deus lhe enviado apenas para garantir uma passagem tranquila para a morte? Ou teria chance de manter a vida da mulher em seus braços?

Forçando sua mente como nunca, ele se acalma por um momento, e estuda o ferimento. A mulher tremia muito da cintura para cima, com o olhar assustadíssimo. Existe uma pequena possibilidade de mantê-la viva, mas sem uma magia de Regeneração, a mulher nunca mais poderia mover suas pernas. Era preciso estancar seu ferimento, cujo sangramento diminuíra e muito graças à poção de Evans.

De volta ao Ninho do Corvo, Piccola percebe que a dispersão da névoa era infinitamente mais veloz do que pensava. Antes mesmo de conseguir berrar um aviso, a névoa atravessa todo o Licorne, penetrando em cada cômodo. Estranhamente, apenas sua "borda" continha a névoa. Por dentro, não existia nada, como se nada houvesse passado por ali.

No entanto, todos dentro do Saffron sentem um frio na espinha com a passagem da névoa. E pouco a pouco, todos percebem algo curioso: o brilho púrpura dos olhos dos cadáveres dos Kuo-Toa brilhavam mais forte, antes de saírem dos olhos dos homens-peixe, e seguirem a névoa. Seus olhos agora eram comuns.

Tudo estava pior para Piccola. Sozinha, no Ninho do Corvo, ninguém percebeu que a garota estava em posição fetal, no chão de madeira, com as mãos na cabeça. Uma série de imagens rápidas invadiu sua mente. A Lua, uma espada, uma elfa negra de cabelos longos e nua, uma máscara cadavérica quebrando a estatueta de uma aranha, a lua se apagando, a luz se apagando, a visão se apagando. Escuridão.

Piccola estava sem dores físicas, mas exausta e suada pelo susto. O que seria a visão?

---------------

OFF:

Teste de procura de Leon: 12+10=22

Itens:
-Aliança com runas
-Tiara de prata com gema rosada

Teste de sabedoria de Evans: 17+18=35
"O homem de bem exige tudo de si próprio; o homem medíocre espera tudo dos outros."

- Confúcio

Voltar para “Worn Sails, Old Tales”

Quem está online

Usuários neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes