Wade In The Water - Capítulo 2

Tales from the Sails. Need I tell you more, you sea weasel?

Moderadores: ronassic, Stephan, Feral, Holygriever, Moderadores

Avatar do usuário
Feral
Mensagens: 140

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#151 » 23 Mai 2012, 22:46

Dia cheio... noite, nem se fala... Assim que tivesse a chance, provavelmente teria ao máximo tentar dormir e descansar.

...Depois que acabasse seu turno de vigia. Não que aparentemente houvesse algo a se observar dali; a misteriosa tempestade fora embora tão misteriosamente quanto como aparecera.

Kyjal, ainda assim, mantém os olhos vigilantes ao horizonte vazio, enquanto vez ou outra se pergunta que outros perigos e surpresas terão.

...E quantos mais da equipe vão ter que sofrer por isso.




...É a vida, aprendera isso desde cedo, mas...

Avatar do usuário
Stephan
Mestre de PBF
Mestre de PBF
Mensagens: 237
Contato:

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#152 » 24 Mai 2012, 15:52

A voz da capitã torna-se o mais vacilante que pode, ainda mantendo-se firme:

[Tabitha] Era pra ser uma viagem tranquila. Uma viagem simples. Mas não foi. Se você e Naddara não estivessem aqui, o barco poderia ter sido perdido. Tymora sorriu quando trouxe vocês dois pro navio. O padre também. É um clérigo, mas... Tymora sorriu para o Licorne.

A noite começava a cair, e Alber acende os lampiões do depósito do navio para que ele e Leon não ficassem em completa escuridão. O ruivo estava quase terminando a organização, e o ladrão já havia terminado.

[Alber] Rapaz, eu achava que não íamos ter problemas. Que o mau humor da capitã ia ser o pior da viagem. Será que esse clérigo sabe de alguma coisa? Se a capitã ficar com raiva e lembrar do passado, vai sobrar pra gente. Aposto.

O resto do navio era pura tranquilidade. Kyjal, no Ninho do Corvo, se mantinha atento e pensativo. O vento começara a esfriar um pouco, mas seu pelo tornava o clima agradável ali em cima.

Nos andares abaixo, Evans cuida da mulher junto com Brianna. Depois de algum tempo, ela retira-se para dormir. O clérigo permanece, com um colchonete no chão para que pudesse dormir mais confortavelmente ao lado de sua paciente. Num quarto próximo, Piccola começava seu repouso. As imagens anteriores não saem de sua cabeça, incomodando a ansiedade da elfa, mas sem impedir seu descanso.



[OFF]: Apenas deixando a deixa para que Leon e Meia-Noite continuem o diálogo. Quando quiserem, prosseguimos para o próximo capítulo!
"O homem de bem exige tudo de si próprio; o homem medíocre espera tudo dos outros."

- Confúcio

Avatar do usuário
Samiel_Fronsac
Mensagens: 184

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#153 » 24 Mai 2012, 22:56

§ Tosse forçosamente quando Alber comenta sobre o mau-humor da chefe. §

[Leon] Pelo menos ela não fez nenhum de nós andar na prancha... Ainda.

§ Olha para cima, pensativo, com o questionamento sobre o clérigo. Evans. §

[Leon] Talvez ele saiba algo, mas não tive oportunidade de comentar e nem de questionar sobre o que vi. Caso consiga respostas, você será o primeiro a saber, colega.

§ Continua fazendo suas tarefas enquanto divagam sobre os eventos do dia. §

---

OFF: Bem, por mim pode seguir adiante. Próximo tópico, aí vamos nós!

OFF2: Se puder fazer um listão do que "adquirimos" quando tiver tempo...

Avatar do usuário
Holygriever
Mensagens: 233

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#154 » 24 Mai 2012, 23:28

[Tabitha] Era pra ser uma viagem tranquila. Uma viagem simples. Mas não foi. Se você e Naddara não estivessem aqui, o barco poderia ter sido perdido. Tymora sorriu quando trouxe vocês dois pro navio. O padre também. É um clérigo, mas... Tymora sorriu para o Licorne.

Meia-Noite se apruma e bate continência.

- Meia-Noite agora é parte da tripulação do Licorne, Capitã. Sua tripulação. E enquanto for desse jeito, faz tudo pelo navio. A senhora dá as ordens, Meia-Noite cumpre. Tenho certeza que os outros novatos pensam assim. Tamos aqui pro que der e vier.

O estivador relaxa a posicão, e se recosta à amurada.

- Fico feliz em saber que nossa ajuda foi de tanta valia, de verdade. Mas... não posso ficar com tudo isso do mérito. A menina Piccola também ajudou. Teve a manobra do Tomme, também. Até mesmo a senhora, Capitã. O convés inferior não estava vazio, né? Enfim, todos ajudaram. Talvez eles gostem de saber que a Capitã aprova nossa luta. Faz bem pra motivação, a senhora sabe, ainda mais depois de tudo que vimos naquele navio...

O grandalhão solta um longo suspiro.

- Meia-Noite vai dar uma esticada nos músculos antes de ir descansar, se a senhora não se importar. Vou estar no convés inferior se alguém precisar de algo.

Meia-Noite inicia uma sequência de exercícios físicos ao chegar ao seu destino. Flexões, abdominais... a situação no Saffron havia tirado qualquer graça da briga anterior, e ele mais uma vez sentia a necessidade de trabalhar os músculos de dar pancada. A "briga boa" ainda não havia aparecido.

[OFF: Por mim, toca o barco (literalmente)!]
"Você tem medo do Escuro? Pois deveria."

Meu amor, o meu chão, onde deixei a paixão...
Não me importo, vou voar, o céu você não vai levar...

Leve-me à escuridão, diga que não me verão...
Queime a terra, ferva o mar, o céu você não vai levar...

Serenity a viajar, não há lugar melhor que o lar...
O céu você não vai levar...

Avatar do usuário
Stephan
Mestre de PBF
Mestre de PBF
Mensagens: 237
Contato:

Wade In The Water - Capítulo 2

Mensagem#155 » 28 Mai 2012, 23:04

Enquanto Meia-Noite se retira, a capitã limita-se a resmungar, em tom mais baixo, para si mesma:

[Tabitha] É... todos ajudaram...

O gigante encontra Leon no caminho. O ladrão subia para a parte superior do convés, enquanto Meia-Noite descia até o convés mais abaixo para fazer uma série de exercícios, a muito aprendida e aprimorada durante anos com o velho Jack. Por isso, Leon é o primeiro a notar a dedicação física que o lutador dava a si mesmo. O primeiro, mas não o único da tripulação.

Evans, repousando enquanto organiza sua arma, escudo e armadura, escuta a respiração forte do gigante no andar abaixo. Berros contidos confirmavam que o lutador estava realmente treinando golpes com precisão. E agora consegue entender mais como foi possível que um peixe fosse morto com apenas um de seus braços.

O barulho não chega a incomodar a meditação profunda de Piccola, que repousa num mar que vibra entre a tensão e a harmonia. Seus pensamentos são ondas, que variam em imagens desconexas. Ela identifica apenas uma linha, uma corda, que hora vibra em harmonia, hora perde seu som por estar apertada demais.

E no convés, ficam apenas a capitã e Kyjal, este no Ninho do Corvo. Enquanto eles vagam para seu destino, apenas um farol permanece aceso atrás deles. O farol da morte. A pira funerária que outrora fora o Saffron.

FIM DO CAPÍTULO 2

(próximo capítulo: [url=http://z13.invisionfree.com/Old_Tales/index.php?showtopic=9]Going Where the Wind Blows[/url])
Última edição por Stephan em 28 Mai 2012, 23:40, editado 1 vez no total.
"O homem de bem exige tudo de si próprio; o homem medíocre espera tudo dos outros."

- Confúcio

Voltar para “Worn Sails, Old Tales”

Quem está online

Usuários neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante