[BLOG] STAR WARS Fronteira do Império (STAR WARS Edge of the

Aqui serão postadas as entradas do Blog e podemos criar discussões sobre elas.

Moderador: Moderadores

Avatar do usuário
ronassic
Administrador
Mensagens: 1776
Contato:

[BLOG] STAR WARS Fronteira do Império (STAR WARS Edge of the

Mensagem#1 » 06 Out 2014, 16:33

This is a blog post. To read the original post, please click here »

Já não é novidade que a Fantasy Flight Games publica a atual linha de RPG de Star Wars. O jogo segue o estilo de "temáticas", do mesmo molde dos jogos da White Wolf (atual Onyx Path) do Mundo das Trevas Clássico, ou da linha Warhammer 40.000 da própria Fantasy Flight Games. Existem vantagens e desvantagens nisso. A principal desvantagem é que se o Mestre e os jogadores quiserem um jogo mais abrangente tem que comprar os futuros outros livros básicos e suplementos da linha de RPGs de Star Wars que vão ainda sair. A principal vantagem é que se o Mestre e os jogadores quiserem se manter no "micro universo" específico do jogo, que é o foco em personagens "marginais", vivendo à margem da sociedade no período da Guerra Civil Galáctica, o jogo se torna bem rico e completo, além de detalhado.[img]http://www.spell.net.br/wp-content/uploads/2014/10/STAR-WARS-EotE-Fronteira-do-Império-Kit-Introdutório-300x300.png[/img]

Vamos falar um pouco sobre o que o EDGE OF THE EMPIRE (ou FRONTEIRA DO IMPÉRIO se preferirem) é e não é. Vou abreviá-lo como EotE. A nova linha de RPGs de Star Wars publicada pela Fantasy Flight Games (irei abreviar como FFG, como é oficialmente abreviado), é o que pode ser considerada como "6ª edição" do Star Wars RPG, e está nas mãos da 3ª editora a ter licença para publica rum RPG com a marca "Star Wars".

A primeira e segunda edição de um Star Wars Roleplaying Game foi publicada pela West End Games, utilizando-se um sistema que usava apenas dados de 6 lados, chamados por eles de D6 System, que ficou bastante popular. Os RPGs de Star Wars da West End Games tiveram duas edições e dezenas de suplementos, e foram publicados entre 1987 e 1999 (antes da trilogia dos episódios I-III). A versão do Star Wars RPG da West End Games é bem elogiada, e foi a editora que mais publicou suplementos para um RPG de Star Wars! Como não tinha a trilogia dos episódios I-III, nem a série The Clone Wars e outras séries de HQs da Dark Horse ainda, nem os games Knights of the Old Republic, essa linha era bastante focada na trilogia clássica (episódios IV-VI) assim como em livros que saíram pós Episódio VI, como a Trilogia de Thrwan, a mini-série Dark Empire (Império do Mal) e Sombras do Império, cada uma dessas sagas tendo seus próprios suplementos.

[url=http://www.spell.net.br/wp-content/uploads/2014/10/Star-Wars-Fronteira-do-Império-Imagem.jpg][img]http://www.spell.net.br/wp-content/uploads/2014/10/Star-Wars-Fronteira-do-Império-Imagem-224x300.jpg[/img][/url]

Logo em seguida no início dos anos 2000, com a terceira edição do D&D a Wizards of the Coast adquiriu a licença para publicar os RPGs de Star Wars, adotando o mesmo sistema do D&D 3.0/3.5, o famoso Sistema D20. Para alguns, a melhor versão do Star Wars RPG. A Wizards lançou 3 edições, e publicou bastante suplementos. A última edição, a "3ª edição do Star Wars D20", ou se preferir, a "5ª edição do Star Wars RPG", foi a Saga Edition, para mim a melhor versão do Star Wars RPG e um dos melhores RPGs do Sistema D20 na minha opinião. O Star Wars da Wizards, principalmente o Saga Edition, procuravam ser bem genérico, podendo o Mestre e os jogadores jogarem em qualquer Era de Jogo, claro que os suplementos das eras específicas eram importantíssimos para mais detalhes do período. Além disso a Wizards lançou aventuras gratuitas em PDF, na verdade toda uma campanha para o Saga, a Dawn of Defiance (algo como "Aurora do Desafio"), dividida em 10 aventuras, totalmente gratuitas, que tinham a intenção de levar os personagens do 1º ao 20º nível.

E então, a partir de 2012 a FFG adquiriu os direitos para publicar material de Star Wars, entre Card Games, miniaturas (por enquanto só das naves), boardgames e a nova linha de RPG. A editora decidiu usar a mesma estratégia da White Wolf com sua linha do Mundo das Trevas Clássico (Vampiro - A Máscara, Lobisomem  - O Apocalipse, Mago - A Ascensão, Changeling - O Sonhar e outros), que também usa, aliás, com sua linha do Warhammer 40.000 RPG (Dark Heresy, Rogue Trader, Deathwatch, Black Crusae e Only War), ou seja, ao invés de um livro básico "genérico" e geral para o universo de Star Wars, ela decidiu dividir em sub-linhas temáticas, cada uma com um livro básico independente e sua própria série de suplementos, mas todos inter compatíveis entre si. A princípio 3 linhas foram anunciadas: EDGE OF THE EMPIRE (lançada em 2013, e que este ano sai no Brasil), AGE O REBELLION (2014) e FORCE AND DESTINY (prometido para 2015).

Edge of the Empire (Fronteira do Império) foca em personagens de "fronteira" ou que vivem à margem da sociedade. O cenário escolhido é a galáxia de Star Wars no período logo após a Batalha da Yavin (no fim do Episódio IV, com a destruição da primeira Estrela da Morte). Nesse ponto o RPG é bem "limitante". Limita com relação à era de jogo, e limita também com relação ao estilo de aventura. Nada que o Mestre não possa adaptar se quiser, é lógico, principalmente um Mestre experiente e que conheça bem o universo de Star Wars. Apesar do foco não ser a Guerra Civil Galáctica em si, personagens Contrabandistas e Caçadores de Recompensa podem muito bem se meter no meio da Guerra Civil Galática (que o diga Han Solo, Chewbacca e Boba Fett), mas tem uma linha específica para campanhas militares da Guerra Civil Galáctica, o Age of Rebellion.

Imagem

Para o que o EotE se propõe é bem rico e detalhado. EotE é para caçadores de recompensa, contrabandistas, colonistas, mercenários e exploradores. A guerra civil varre a galáxia, mas eles procuram se manter distante dela, tentando sobreviver nos confins da galáxia conhecida, explorando novos mundos e vivendo incríveis aventuras! Para os amantes do D&D e de aventuras mais estilo "exploração, caça aos tesouros, etc" o EotE deve ser a linha de RPGs de Star Wars da FFG mais próxima disso. As regiões desconhecidas da Galáxia estão esperando para serem desbravadas. Ruínas antigas e artefatos há muito esquecidos estão esperando para serem encontrados. Segredos sombrios há muito escondidos estão esperando para serem descobertos. E batalhas incríveis contra inimigos terríveis estão esperando para serem travadas!

Apesar de ter regras para personagens sensitivos da Força, EotE NÃO É SOBE os Jedi! Não é sobre os usuários da Força. Não há descrições sobre a Ordem Jedi ou os Sith, apesar deles serem brevemente mencionados. EotE é sobre exploradores, colonistas, caçadores de recompensa, mercenários, contrabandistas, piratas... É sobre sobreviventes de uma guerra, vivendo em regiões distante dela, mas nem sempre totalmente longe da influência do Império. O Império Galático está por toda parte nesta época, exercendo sua influência em cada canto da galáxia conhecida. Difícil fugir dessa influência e opressão, e muitas vezes não há o que fazer senão confrontá-lo. Sim, há disparos contra stormtroopers, perseguições espaciais e batalhas contra Tie Fighters. Isso É STAR WARS!

As regras do novo sistema também procuram incentivar a interpretação, dando margens para interpretação dos resultados dos dados, mais ou menos como nos sistemas Storyteller e Storytelling. Não existe apenas "sucesso" ou "fracasso", um sucesso pode ser bem diferente do outro, assim como um fracasso, dependendo de como foi o sucesso ou o fracasso na parada de dados, ajudando o Mestre e os jogadores a interpretarem toda a cena e as ações dos personagens, bem mais "cinematográfico".

Imagem

Sobre os personagens e suas estatísticas, no EotE eles possuem 6 características básicas:



- Brawn (Força Física); 

- Agility (Agilidade); 

- Intellect (Intelecto); 

- Cunning (Astúcia); 

- Willpower (Força de Vontade); 

- Presence (Porte).

O valor inicial das características é determinado pela espécie do personagem, depois ele pode aumentar com os pontos de experiência iniciais da criação do personagem.

Infelizmente o livro básico "peca" pelo número de espécies, apenas 8 (o livro básico do Star Wars Saga Edition da Wizards, a edição anterior do RPG de Star Wars, trazia 20 espécies, e outras tantas apareceram em suplementos posteriores). Dá pra entender que o universo de Star Wars é rico em espécies alienígenas diferentes, e que colocar muitas num livro básico não é legal, mas poderiam ter pelo menos umas 16. Bom, as 8 espécies do livro básico do Edge of the Empire são: Bothans (Bothanos), Droids (Dróides), Gands, Humans (Humanos), Rodians (Rodianos), Trandoshans (Trandoshanos), Twi'leks e Wookies. Outras mais são apresentadas nos suplementos.

Existem também Carreers (Carreiras), especializações e redes de talentos para cada especialização. As "carreiras" são "grupos" de "classes" na verdade, elas definem o que o personagem é no início. Não é possível pegar mais de uma "carreira", porém pode-se pegar quantas especializações quiser, sendo uma na criação do personagem e outras posteriormente via gasto de pontos de experiência, inclusive na criação do personagem com os pontos de experiência iniciais gastos na criação do PJ. As carreiras definem apenas as perícias iniciais do personagem (cada carreira tem um grupo de perícias e o jogador ganha 4 ranks gratuitos em qualquer perícia da carreira) e a especialização inicial (o mais perto das "classes", se compararmos com a edição anterior do sistema D20), assim como os talentos que são baseados nas especializações, cada especialização tem uma rede de talentos específica. Além disso as especializações da Carreira são mais baratas de se comprar, especializações de outras carreiras custam 10 pontos de experiência extras para serem adquiridas. As carreiras e especializações do livro básico do Edge of Empire são:

- The Bounty Hunter (Caçador de Recompensas):

- Assassin (Assassino);

- Gadgeteer (não existe uma tradução boa para o português, mas é aquele "mestre de bugigangas e engenhocas", está cheio de dispositivos para as mais variadas funções, provavelmente o Batman se encaixaria aqui, não sei como a galápagos irá traduzir essa especialização);

- Survivalist (Sobrevivente);

- The Colonist (O Colonista):

- Doctor (Médico, "Curandeiro");

- Politico (Não sei bem se "Político" seria a melhor tradução, mas o "Politico" é aquele "líder nato", especialista em convencer pelo papo, enganar, usar de seu carisma e influência, etc.);

- Scholar (Erudito, "Mestre do Conhecimento”);

- The Explorer (O Explorador):

- Fringer (não existe uma tradução para o português, a melhor tradução talvez fosse "Fronteiriço" ou "Marginal", seriam aqueles personagens que cresceram numa região de fronteira, longe da civilização, no caso específico, além dos Mundos do Núcleo da Galáxia);

- Scout (Batedor, mas também pode ser traduzido como "explorador", esse seria o explorador nato, desbravador);

- Trader (Comerciante);

- The Hired Gun (O Mercenário):

- Bodyguard (Guarda-Costas);

- Marauder (Saqueador);

- Mercenary Soldier (Soldado Mercenário);

- The Smuggler (O Contrabandista):

- Pilot (Piloto);

- Scoundrel (seria o "Ladino" no sentido mais da astúcia e sagacidade, pode ser traduzido também como "Trapaceiro" ou "Malandro", eu gosto mais do "Malandro");

- Thief (Ladrão, esse é o "ladrão stricto sensu", aquele que vai atrás de tesouros e que rouba também);

- The Technician (O Técnico):

- Mechanic (Mecânico);

- Outlaw Tech (Técnico Fora da Lei);

- Slicer (Hacker);



Além disso também há a especialização universal Force Sensitive Exile (Sensitivo da Força Exilado), que pode ser adquirido por qualquer personagem (menos os dróides), mas que tem um custo adicional por não pertencer à nenhuma Carreira. Esses são os personagens usuários da Força, como o jogo se passa na época da Rebelião, seriam os exilados Jedi que não foram caçados ou outros usuários da Força que se mantem no anonimato).

O jogo se utiliza, de dados especiais, mais os dados de dez faces, o os famosos “d10” (para porcentagem). Os dados especiais podem ser emulados com d6, d8 e d12, tem uma tabelinha de conversão no livro básico. Mas é mais prático de se usar os dados especiais pois eles são baseados em símbolos, se for usado d6, d8 e d12 normais há a necessidade de toda hora se consultar uma tabela (claro com o tempo os jogadores decoram). Existem vários símbolos para sucessos e falhas. De início parece bem "complexo", mas depois acaba sendo simples, pois os jogadores se acostumam.

As regras de combate são simples também, assim como de veículos e de espaçonaves.

Existe também um sistema de OBRIGAÇÕES,  para ligar os personagens ao plot que o Mestre queira. Existem vários exemplos de obrigações, como cabeça à prêmio, criminoso, dívida, passado negro, vícios, senso de dever, família, favor, obsessão, juramento, responsabilidade... As "obrigações" são para forçar os personagens a entrar na trama do jogo. É uma ferramenta bem útil tanto para ajudar no histórico dos personagens, como para colocar os jogadores no centro da trama da campanha do Mestre. O jogador pode pegar mais de uma obrigação, e pegando uma extra concede pontos de experiência extras iniciais para a criação do personagem.

Personagens com mais obrigações ficam mais "ricos" em background, porém também podem ter mais problemas no decorrer da campanha. É quase como um "Paladino" do D&D, cheio de deveres, juramentos e obrigações (e às vezes não tão corretamente interpretados pelos jogadores). O sistema de Obrigações lembra um bom o sistema de backgrounds do novo D&D, uma vez que também é uma ferramenta tanto para ajudar no histórico dos personagens, como “forçar” um pouco mais a interpretação no decorrer do jogo.

O "clima" do jogo também estabelece que o "grupo de jogo" tenha uma espaçonave inicial. O grupo já começa com uma nave (sim, você NÃO PRECISA COMPRAR uma ao longo da campanha), já que faz parte do clima do jogo. O ideal também é que os personagens já se conheçam, mas se não se conhecerem "entram no jogo" de uma forma que acabarão tendo uma espaçonave (e cabe ao Mestre fazer isso). Há 3 sugestões de modelos de espaçonaves inicial para os jogadores, todas transportes médios, mas nada que o Mestre não permita ao grupo possuir alguma outra. Na aventura do Kit Introdutório os personagens “roubam” sua espaçonave logo no início. O Mestre pode usar essa ferramenta como um prelúdio para iniciar os personagens em sua campanha, ou mesmo simplesmente dizer que um dos jogadores já possuía a espaçonave (seja lá como a tenha conseguido).

O livro tem uma pequena aventura introdutória no final. Também tem um lindo mapa da Galáxia de Star Wars (o mapa mais bonito da galáxia de Star Wars que já vi), a descrição de alguns planetas, e das organizações principais da época do jogo, como o Império Galáctico, A Aliança Rebelde, O Sol Negro e os Hutts. O livro tem um belo acabamento, lindas fotos e belas ilustrações.

O primeiro suplemento lançado foi uma aventura grande pronta nas regiões desconhecidas da galáxia, intitulada Beyond the Rim (Além da Orla Exterior), e logo depois o livro dos Exploradores, o primeiro "livro de classe", intitulado Into de Unknown (Dentro do Desconhecido, ou "Além do Desconhecido" numa tradução melhor), trazendo novas especializações para exploradores como o Arqueologista e o Condutor, além de novos talentos, obrigações, motivações, espécies, equipamentos, veículos e ideias para aventuras.

Ainda tivemos logo depois Dangerous Convenants (“Guildas Perigosas” numa tradução livre), que é o “livro de classe” da Carreira do Mercenário (Hired-gun), Suns of Fortune (“Estrelas Afortunadas” ou “Estrelas do Destino” numa tradução livre), o primeiro dos “livros de cenário”, ele descreve o Setor Corelliano, onde fica Corellia e Duros, e de onde passa uma das mais famosas rotas comerciais da galáxia. Em seguida tivemos a aventura pronta Jewel of Yavin (A Jóia de Yavin), e Far Horizons (Horizontes Longínquos), o guia da carreira Colonista. Recentemente a Fantasy Flight Games anunciou o suplemento Lords of Nal Hutta (Senhores de Nal Hutta), o guia para o Espaço Hutt. E para quem gosta dos grandões senhores do crime de Star Wars, terá regras para se jogar com a espécie dos Hutts!

Bom, antes de tudo ainda tem o Kit Introdutório, que vem com personagens prontos e uma aventura pronta. Além de ter uma aventura pronta gratuita disponível no site da Fantasy Flight Games. Os jogos de RPG da Fantasy Flight costumam ser bem ricos de detalhados com relação ao cenário, o problema é que dependem de muitos suplementos para ficarem realmente bons e com várias opções e detalhes. E é esse o caso da nova linha de RPGs de Star Wars. Um problema para uns, mas uma felicidade para outros. Há quem prefira “todo o possível” de forma enxuta num livro básico, e apenas “perfumaria” em suplementos. Se é esse o seu caso, então a nova linha de RPGs de Star Wars não é para você. Agora se você é daqueles que adora muitos suplementos com uma grande riqueza de detalhes, e gosta de focar num tema específico e esmiuçá-lo, bom então a nova linha de RPGs de Star Wars é para você.

Bom, agora vamos falar um pouco sobre os testes e o sistema básico. Bom, como eu disse ele é similar ao de sistemas como o Storyteller ou Storytelling, no qual você soma um atributo com uma habilidade e tenta obter sucessos. No caso específico do Edge of the Empire, eles chamam de "Parada de Dados" (Dice Pool). Os testes foram feitos para quem gosta de lançar dados e pode parecer bem complexo no início, mas não é. Bom os personagens possuem 6 características ("atributos") básicos, que já citei, e depois uma ampla lista de perícias (skills) divididas em Gerais, Combate e Conhecimento, sendo que toda perícia é baseada numa característica.

As características variam de 1 a 5 na criação do personagem, mas podem ser aumentadas depois (jamais um personagem pode começar com um valor maior do que 5 nas 6 características básicas). As perícias (skills) não podem ultrapassar 2 graduações na criação do personagem, apenas posteriormente.

Os dados que representam as Características são dados de oito lados. Os das Perícias são de 12 lados. Porém o sistema se utiliza de símbolos. Existem faces do lado em branco em cada dado. Existe um símbolo para sucesso, vantagem, triunfo, falha, ameaça e desespero. Nos dados das características e perícias só existem símbolos de sucesso, vantagem e triunfo (esse último apenas nos dados de perícias e em uma face), e esses dados são confrontados com os dados de dificuldade (8 faces) e de desafio (12 faces), sendo que os de dificuldade possuem apenas símbolos de falha e ameaça, e o de desafio de desespero (também numa única face). A mecânica básica é simples, o Mestre impõe o desafio e o jogador em conjunto com o Mestre vê qual a melhor perícia para o teste, e vê o atributo chave da perícia. O maior valor é o número de dados lançados pelo jogador, sendo que o valor da perícia determina o número de dados de perícia lançados (já que são melhores e tem mais chances de sair sucesso por serem de 12 faces, além de ter a face do Triunfo).

Por exemplo, se o jogador vai testar uma perícia baseada em Intelecto, e ele tem valor 2 na Perícia e Intelecto 3, ele lança 3 dados, sendo que usa 2 dados de perícia (12 lados) e um dado da característica (8 lados). Se fosse o contrário, 2 de Intelecto e 3 da Perícia, ele lançaria 3 dados de perícia (tendo mais chances de sucesso). Sempre é mais vantajoso lançar mais dados de Perícia. Se não for uma perícia treinada mas é possível de fazer o teste, ele lança só os dados de Característica correspondente (que são de 8 lados). A parada de dados é confrontada com a dificuldade. Se for fácil, o jogador lança só um dado de dificuldade.

Se for difícil, lança 3 por exemplo, se for extremamente difícil (uma tarefa formidável) lança 5 dados de dificuldade, sendo que cada falha anula um sucesso.

Alguns fatores que aumentem a dificuldade também podem fazer um ou mais dados de dificuldade viraram um "dado de desafio", que possui 12 faces, tendo mais chances de sair falhas ou até um "desespero", uma falha extrema que gera outros efeitos. Além disso a parada de dados pode receber um "boost die" (dado de ampliação), que é um dado de incremento de 6 lados, com faces de sucesso e vantagem, concedido por alguns talentos, equipamentos ou circunstâncias, ou um "setback die" (dado de contratempo), a mesma coisa só que com mais obstáculos e desafios para o jogador, um dado de 6 lados com símbolos de falha e ameaça.

Sobre os símbolos, um sucesso é o que diz, é um "sucesso"! E pode ser cancelado com uma falha. Quem conhece o sistema Storyteller está bem acostuma com esse tipo de parada de dados. Uma Vantagem dá um efeito secundário no teste, e pode ser cancelado com uma ameaça. Um triunfo é, além de um sucesso, um ótimo resultado com um efeito secundário junto, e pode ser cancelado com um desespero, que é uma falha junto com um efeito secundário desastroso para o personagem ou o grupo.

Mas aí vem a pergunta: E se saírem sucessos com ameaças? Bom, essa parada de dados pode ser interpretada como um sucesso dramático da cena, por exemplo o personagem estava correndo sobre uma ponte que caiu, mas na hora "H" conseguiu saltar e chegar do outro lado, se agarrando com uma mão na beirada e quase caindo! Mas teve sucesso. Se não tivesse a ameaça ele apenas teria saltado e chegado são e salvo do outro lado. A mecânica de jogo é para tornar as cenas e testes bem cinematográficos e dramáticos, o que achei bem interessante. Ajuda na interpretação e na descrição das cenas e história. Como eu disse, é um sistema para quem gosta de rolar vários dados e interpretar o resultado!

Existem também os "dados da Força", também de 12 lados, com símbolos de uma ou duas bolinhas do lado da Luz e do Lado Negro. Os dados da Força são lançados no início de cada sessão para determinar os Pontos de Destino do jogador (mais ou menos como os Pontos de Destino do Star Wars Saga Edition ou os Pontos de Ação do Tormenta RPG, são "coringas" que o jogador pode usar para melhorar um teste, dentre outras coisas) ou para os poderes da Força.

Sobre os poderes da Força, no livro básico existem apenas os do lado da Luz, divididos em 3 árvores de poderes: Sense (Sentidos), Influence (Influência) e Move (Mover), respectivamente uma árvore de poder relacionado a sentir motivações, sentir outros usuários da Força e coisas relacionados a "sentir presença", um de influenciar os animais e seres sapientes ao redor (semelhante a "hipnotismo", o famoso poder de mudar a ação de um NPC) e o último relacionado a mover objetos. Em futuros suplementos deve ter mais poderes da Força (principalmente na linha de RPGs que será toda dedicada aos Jedi e usuários da Força, o Force and Destiny que sai em 2015).

O livro básico possui ainda uma pequena lista de veículos e espaçonaves, com vários opções, em se tratando de um livro básico.

Porém o livro não traz nenhuma estatística de nenhum NPC importante da galáxia de Star Wars (nem Darth Vader, nem Palpatine, nem Boba Fett, nem Luke Skywalker, nem Princesa Leia, nem Han Solo, nem ninguém), ficando a cargo do Mestre "bolar as fichas" ou esperar futuros lançamentos. Na aventura pronta Jewel of Yavin há uma pequena ficha de Lando Calrissan, porém os próprios autores da aventura dizem que a ficha de Lando é apenas para auxiliar na aventura e que não seria uma ficha completa e apurada do personagem.

O livro básico de Star Wars Fronteira do Império será lançado em português no final do ano pela Galápagos Jogos. O Kit Introdutório já pode ser comprado nas lojas especializadas.
"O topo da inteligência é alcançar a humildade."

Voltar para “Blog”

Quem está online

Usuários neste fórum: Nenhum usuário registrado e 1 visitante