SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Não é só o D&D que merece respeito! Existem muitos outros sistemas bons, vários deles gratuitos. Aqui você pode conhecê-los!

Moderador: Moderadores

Avatar do usuário
Bahamute
Moderador
Mensagens: 2051
Contato:

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#16 » 15 Nov 2009, 23:22

@Lorde da Dança
Obrigado, como era uma versão com um grande update, eu quis mudar a capa pra diferenciar!

@Return
Mais uma vez, obrigado pelos comentários e por ter se dado o trabalho de ler o manual, fico muito feliz com isso!

Return escreveu:Realmente ficou bem diferente o esquema da 1.5.
Estou lendo aos poucos o material, muitas das minhas críticas e dúvidas já foram sanadas. Estou escrevendo agora para dar uma opinião ainda parcial. Realmente fiquei impressionado com o esforço utilizado na confecção do SUPERNOVA, é um livro bem completo e adiciona muitos elementos ao jogo. O que ainda não sei se você conseguiu é construir um sistema que tenha equilíbrio em meio a tantos elementos diferentes (Chi, focus, vantagens, esquiva, Pontos de esforço, pontos de magia, barra de ataque especial...).

E ele ainda não esta finalizado. Ainda há varias regras para serem consertadas, e é por isso que estou mestrando uma mesa no sistema há quase um ano. Sempre que encontramos um erro (eui e meu grupo) anotamos para corrigir.
É gratificante ouvir a opinião de alguém de fora sobre o sistema, pois nos dá uma visão diferente da que estamos bitolados.

Return escreveu:Para o meu desapontamento ainda não consegui ter uma visão geral do sistema. Os novos elementos criaram uma maior complexidade e flexibilidade na criação dos personagens. Considerei difícil a visualização da evolução dos diferentes tipos de personagem. Qual vantagem pegar e em qual atributo investir? Um guia para criação de personagens com Kits, exemplos e explicações das vantagens de cada tipo personagem poderia tornar muito mais simples o desenvolvimento dos personagens e tornaria o jogo mais transparente.

Uma otima idéia.

Vou postar as fichas dos jogadores de minha mesa para você analisar, e ver a diversidade que há.

Também gostei da idéia dos kits, e é algo que eu não tinha pensado.
Tenho contato com mais dois mestres que usa o sistema SUPERNOVA, ambos mestram há mais de 4 meses no sistema, vou ver se consigo uma cópia das fichas dos jogadores pra postar aqui também.

Return escreveu:Outra dúvida que tenho é sobre a quantidade de anotações e jogadas de dano que precisam ser feitas. Por exemplo, alguém usa uma magia como bola de fogo aprimorada. O mago perde 12 pontos de mana, 8 pontos de energia e no processo causa dano em 3 alvos. Além dos pontos de mana e energia, tem que ser feita uma anotação para ataque especial, nesse caso completando um quadrado e meio da barra. Isso tudo sem contar as anotações dos pontos de vida. Lembrando que o mago ainda tem mais uma ação e dois ataques extras na mesma rodada. Sinceramente, acredito que seja muita coisa para anotar e muitas jogadas de dado no processo. Considero mais elegante um sistema que usa poucos recursos matemáticos, pois torna o combate mais dinâmico, menos confuso e permite um maior tempo para interpretação no combate.
É claro que estou vendo o sistema recentemente, então não tenho condição de avaliar bem a dinâmica de jogo. Foram apenas algumas dúvidas que me apareceram.


Compreendo seu ponto de vista aqui.
Eu ainda não vi problema com as multiplas anotações (mas admito que há), pois o meu grupo (não posso dizer dos outros) ainda não reclamou disso (acho que é porque eles gostam disso :b ).

Return escreveu:Uma sugestão, para uma versão posterior talvez, seria trocar os pontos de esforço por estados como cansado, extenuado, incapacitado. Quando se usa um poder especial seria necessário fazer um teste de esforço, por exemplo:
Necessário tirar 6 em um número de jogadas D6 equivalente ao ciclo de força e/ou resistência. Se sucesso, personagem não fica cansado.
Para poderes mais poderosos, eles poderia deixar o personagem extenuado. Se tirar um 6 ele só fica cansado, se tirar dois 6 ele não fica nem cansado e nem extenuado.
São só algumas idéias. Nesse caso, fica mais fácil avaliar o grau de fadiga dos personagens, mas aumenta ainda mais o número de jogadas de dado (embora não precise nem somar).

Quando você avançar mais na leitura do sistema, você vai notar que os pontos de energia são um dos "combustiveis" mais importantes do jogo, e que eles estão tão enraizados, que é dificil trocá-los por estados.
Os pontos de energia representam o "folego" do personagem, por assim dizer, e, eles vão muito além do consumo de técnicas e magias.
Muitas manobras até mesmo corriqueiras (como correr, realizar um esforço físico maior, algumas perícias) requerem o gasto de energia. E, com sua medida em pontos, fica mais fácil administrá-los (e saber o quão cansado está seu personagem).

Return escreveu:O ataque especial poderia se recarregar parcialmente quando o jogador tirar 1 na primeira jogada de habilidade para atacar de cada turno, ou algo do tipo.

O Ataque Especial é muito poderoso, portanto, a "barra" é um pouco dificil de encher, ele pode mudar totalmente o rumo de um combate.
Na minha mesa, é muto dificil que alguém consiga um ataque ``x3" devido a dificuldade de encher a barra, e, quando alguém consegue, prefere guardá-la para um momento mais critico.

Return escreveu:Outra coisa que acho importante destacar é que acredito que SUPERNOVA seja um jogo de heróis. Campanhas de Horror, ficção científica, ou que busquem realismo provavelmente não se adaptariam ao sistema.

Concordo.
Depois d`eu começar a mestrar no sistema eu percebi isso.
Mas, fiz uma tentativa de implementar mais terror e luz no sistema com esse suplemento.

Return escreveu:Um potencial importante desperdiçado no jogo, acredito eu, seja a habilidade. Qual o sentido de se ter ações adicionais de combate se todos os outros personagens também têm? Se habilidade fosse tratada como um atributo igual aos outros, pontos em habilidade poderiam permitir múltiplos ataques, mais de uma tentativa para atacar (ao invés de subir o ciclo), permitir nova jogada após esquiva, entre outras coisas, mas deveria ser algo relativo (comparando entre atacante e defensor) que precise investir muitos pontos e não simplesmente gastar duas dúzias e virar o Battousai.

Algumas das coisas que você mensionou já são possíveis (como a vantagem Precisão Sobrenatural).
Acredito que, como você mesmo disse por ser um sistema mais heróico, talvez até fassa sentido o personagem realizar multiplas ações.
Mas, vou te explicar o motivo disso:

O personagem tem duas ações para que:
Ele (A) se prepare e (B) Ataque.

Ele pode usar a primeira ação para conjurar uma magia de suporte, e a segunda para executar uma técnica.

Ele pode usar uma Ação para se deslocar e conjurar uma magia, usar uma pericia e etc.
Ele pode ter falhado na primeira ação, então ele ainda tem uma segunda chance.

Ele pode conjurar uma magia que melhore uma magia em seguida (como a Bola de Fogo Aprimorada e a Bola de Fogo).

Quanto a colocar valor na habilidade, não consigo ver uma utilização pratica para isso, mas estou aberto a sugestões.

Return escreveu:Mais um ponto (prometo que esse é o penúltimo). Os tipos de personagens aparententemente não têm uma progressão linear de poder. Por exemplo, no começo indivíduos com ataques a distância tem grande vantagem, pois somam os ciclos de habilidade (geralmente sempre 4 ciclos) no dano a distância sem aumento do custo em pontos. No final, por outro lado, seus ataques não irão fazer nem cosquinha nos níveis de defesa em níveis elevados. O dano no primeiro nível é quase igual o do décimo (vide personagem feito no final do manual, acrescido de 1D de focus e de +8 de vantagens que o primeiro nível já poderia ter).

Na minha mesa há quatro jogadores,
Um combatente marcial, um combatente com duas espadas, um arqueiro e um Atirador (com um rifle). Eles são todos bem especializados, e, no futuro, você vai perceber que a vantagem Técnica de Combate é muito útil para a progressão de danos.
Ainda não notamos um desequlibrio visivel entre ataque corpo a corpo e distância (lembre-se, ainda há as armas mágicas (elementais) que melhoram um pouco mais ambos os danos, e, também há os que não usam armas como os artistas marciais que se valham de suas armas naturais como focus, chi e a força bruta).

Return escreveu:E por último, a minha grande dúvida! O que fazer para causar dano em um indivíduo que coloca metade dos seus pontos em defesa. Os poderes especiais poderiam ajudar, mas não são tão corriqueiros. Não sei o que fazer.

Uma tecnica de combate que maxima os dados e ainda adiciona +20 no dano pode ajudar.
Uma magia aprimorada é efetiva. Uma magia com Aprimoramento Arcano é ainda mais desastrosa se o usuário tem um bom valor de Inteligência.
Por ultimo, o atacante ainda tem as duas ações para se preparar antes de atacar, e usar de vantagens como Poder Oculto, Arma Favorita e etc.

Return escreveu:Se eu escrevi tanto é porque fiquei realmente impressionado com a dedicação e o carinho empregados no SUPERNOVA.

Muito obrigado!
É muito gratificante ver alguém comentando, opinando e criticando o sistema.
Sinto como um trabalho realizado.

Gostaria de ouvir mais opiniões sua!

Desculpe pelo texto sem revisão, estou no computador de minha irmã e preciso entregar de volta o "posto" pra ela, então, essa foi uma resposta meio corrida...

Abraços,

Lair José
Aquele abraço!

Avatar do usuário
Lu Bu
Mensagens: 6

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#17 » 17 Nov 2009, 01:00

Hun.. de graça até injeção na testa, vou baixar ler e depois com tempo lhe darie um parecer.

Gosto de ler sobre qualquer tipo de sistema.

Avatar do usuário
Bahamute
Moderador
Mensagens: 2051
Contato:

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#18 » 17 Nov 2009, 11:22

Lu Bu escreveu:Hun.. de graça até injeção na testa, vou baixar ler e depois com tempo lhe darie um parecer.

Gosto de ler sobre qualquer tipo de sistema.


Esperarei ansioso!
E, não se esqueça de baixar a versão 1.5 (mais atual) no topo dessa página!
Abraços,
Aquele abraço!

Return
Mensagens: 5

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#19 » 17 Nov 2009, 14:17

Mais uma rodada :)

Estou aguardando as fichas...

Quanto aos ataques especiais, a minha idéia de tirar "um" no teste de habilidade era só um possível caminho. Vou elaborar ela um pouco.

Para cada 1 ou 2 no primeiro teste de habilidade para atacar de cada turno o personagem recebe um ponto de ataque especial. Ao completar 3 pontos ele pode usar um ataque x2 e com 5 pontos ele pode usar um ataque x3. Por probabilidade, os ataques x2 poderiam ser usados a cada 9 rodadas e os ataques x3 a cada 15 rodadas. É claro que os valores podem ser ajustados, diminuído ou aumentando a chance de completar um ataque especial. Ainda haveria anotação, mas seria bem mais simples.

Com relação aos pontos de energia, não consegui ter alguma idéia melhor do que já está sendo feito.

Não entendi as manobras de Agarrar. Pareceu-me que com apenas um aliado (pode até ser um cachorro) um guerreiro com alto valor de força mata quase qualquer coisa. Afinal, uma força 2/15 sempre vai ganhar de uma 1/8 independente das jogadas de dados. Isto é, a vítima fica presa até o cachorro terminar de lamber os ossos.

Não vi citação no capítulo de combate sobre ataque de oportunidade, embora tenha referência a ela na pg. 17 na parte de combo. Existem ataques de oportunidade fora dessa situação específica?

Com a ação ataque extra é possível fazer alguma coisa além de ataques básicos? Em caso negativo, com que tipo de ação um mago utilizaria seus ataques extras?

Qual o benefício da Vantagem Vitalidade se pelos mesmos 3 pontos é possível comprar 3 pontos de resistência e ganhar 15 PV + 6 PE? O mesmo se aplica a mana extra.

Qual o benefício da Vantagem retomar o fôlego se com ela o personagem gasta uma ação para ter 8PE (apenas uma vez ao dia) e com os mesmos 3 pontos em resistência ganha 15 PV + 6PE sem gastar ação e podendo ser reutilizado (descansando) durante o dia.

E voltando a questão da experiência, hehehe... Eu sei que sou chato :) E se mantivesse a estrutura em níveis mas a aquisição de pontos seja feita nos esquemas de GURPS. Por exemplo, um personagem de primeiro nível e um de vigésimo precisam de 5 pontos (ou 50, ou ...) para passar de nível. A diferença é que se um personagem de nivel 20 vencer outro de nivel 5 ele não ganha pontos, enquanto um de primeiro nível recebe muito mais experiência por derrotar o mesmo oponente de nível 5.

2D de XP não é muito pouco para criar um item maravilhoso considerando que são necessários 2000 para passar para o segundo nível de personagem?

Como um arqueiro que tem inteligência 3 ciclos para poder utilizar recarga relâmpago gastaria os seus pontos de mana se o uso de armas mágicas não consome mana? Os PM são disperdiçados?

Abraços

Avatar do usuário
Bahamute
Moderador
Mensagens: 2051
Contato:

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#20 » 17 Nov 2009, 15:02

Olá Return!
Obrigado pela nova rodada!

Meu turno!

Return escreveu:Para cada 1 ou 2 no primeiro teste de habilidade para atacar de cada turno o personagem recebe um ponto de ataque especial. Ao completar 3 pontos ele pode usar um ataque x2 e com 5 pontos ele pode usar um ataque x3. Por probabilidade, os ataques x2 poderiam ser usados a cada 9 rodadas e os ataques x3 a cada 15 rodadas. É claro que os valores podem ser ajustados, diminuído ou aumentando a chance de completar um ataque especial. Ainda haveria
anotação, mas seria bem mais simples.

Uma otima idéia, diga-se de passagem. Deixando o Ataque Especial mais "certo" de ser usado.
A única coisa, é que poderia ser alterada a quantidade de rodadas para mais.
Devido ao grande poder que essa manobra possui.

Return escreveu:Não entendi as manobras de Agarrar. Pareceu-me que com apenas um aliado (pode até ser um cachorro) um guerreiro com alto valor de força mata quase qualquer coisa. Afinal, uma força 2/15 sempre vai ganhar de uma 1/8 independente das jogadas de dados. Isto é, a vítima fica presa até o cachorro terminar de lamber os ossos.

Essa manobra é problemática mesmo. Estou pensando numa solução pra ela, pois ela já causou muitos problemas na minha mesa (os jogadores se focam em drenar a força do inimigo com magias e técnicas, para depois, o mais "forte" do grupo agarrá-lo e os outros atacarem).

Alguma idéia?

Return escreveu:Não vi citação no capítulo de combate sobre ataque de oportunidade, embora tenha referência a ela na pg. 17 na parte de combo. Existem ataques de oportunidade fora dessa situação específica?

Sim.
Mas, no futuro, pode haver implementação dela para outras ocasiões (ou até mesmo algo determinado pelo mestre, no momento de jogo).

Return escreveu:Com a ação ataque extra é possível fazer alguma coisa além de ataques básicos? Em caso negativo, com que tipo de ação um mago utilizaria seus ataques extras?

Há uma regra caseira que estou utilizando (e que vou implementar na versão 1.6) que o personagem pode gastar 2 Ataques Extras para beber uma poção.

No manual Trevas & Luz, existe a vantagem Leitura Dinâmica, que o personagem gasta todos seus Ataques Extras para ler um pergaminho.

Ainda há a possiblidade de usar focus com os Ataques Extras.
Na minha mesa, o Arqueiro, sempre usa seu Focus de Veneno nos Ataques Extras para tentar paralisar o oponente, e o Atirador (Rifle) usa Ferrugem para tentar danificar as armas ou armaduras do oponente com seus Ataques Extras. Um mago pode se beneficiar muito de seus focus dessa forma, visto que os efeitos de elementos secundários são otimos para isso.

Return escreveu:Qual o benefício da Vantagem Vitalidade se pelos mesmos 3 pontos é possível comprar 3 pontos de resistência e ganhar 15 PV + 6 PE? O mesmo se aplica a mana extra.

Sim. Mas uma hora o Valor de Resistência trava (ou pelo ciclo, ou pelo limite natural de 30), então, essa Vantagem se faz útil para isso, e apenas isso.
Quando seu persongem atinge o limite natural de 180 Pontos de Vida (Res. Ciclo 3, Valor 30), ele pode continuar aumentando seus Pontos de Vida dessa forma. O mesmo vale para Mana Extra e Energia Extra (alias, no caso de Energia Extra os 3 pontos são muito bem empregados).

Return escreveu:Qual o benefício da Vantagem retomar o fôlego se com ela o personagem gasta uma ação para ter 8PE (apenas uma vez ao dia) e com os mesmos 3 pontos em resistência ganha 15 PV + 6PE sem gastar ação e podendo ser reutilizado (descansando) durante o dia.

Unicamente para quando você fica sem energia no meio do combate.
Você pode retomar o folego, e recobrar uma pequena quantidade de energia para poder realizar novos ataques, magias ou que for conveniente (visto que essa vantagem pode ser selecionada duas vezes, e ter uma segunda utilização diária dela).

Return escreveu:E voltando a questão da experiência, hehehe... Eu sei que sou chato E se mantivesse a estrutura em níveis mas a aquisição de pontos seja feita nos esquemas de GURPS. Por exemplo, um personagem de primeiro nível e um de vigésimo precisam de 5 pontos (ou 50, ou ...) para passar de nível. A diferença é que se um personagem de nivel 20 vencer outro de nivel 5 ele não ganha pontos, enquanto um de primeiro nível recebe muito mais experiência por derrotar o mesmo oponente de nível 5.


Isso aqui é um vicio no sistema evolutivo de D&D :tsc:
Mas, é algo a ser debatido.
Não quer entrar numa mesa de discussão para a proxima versão do sistema?
Vou realizar uma em breve com o grupo!

Return escreveu:2D de XP não é muito pouco para criar um item maravilhoso considerando que são necessários 2000 para passar para o segundo nível de personagem?

Foi só um valor simbólico estipulado.
De inicio, não haveria nem consumo de XP, mas ele foi colocado só como representação de desgaste fisico do personagem ao criar o item.

Return escreveu:Como um arqueiro que tem inteligência 3 ciclos para poder utilizar recarga relâmpago gastaria os seus pontos de mana se o uso de armas mágicas não consome mana? Os PM são disperdiçados?

Bem, Ciclo 3 em Inteligência é pré-requisito de diversas Vantagens.
Mas, vide o caso do arqueiro paralisante que eu mencionei acima.
Ele pode usar sua mana de forma criativa, ou até mesmo adquirir uma magia útil pra ele usar durante o combate (como uma invisibilidade, velocidade, sorte, ou alguma outra).

Obrigado pelos novos comentários!
Aquele abraço!

Return
Mensagens: 5

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#21 » 18 Nov 2009, 22:33

O Post de hoje vai ser um pouco diferente. Já que colocou a possibilidade de uma nova versão, vou colocar alguns pontos que acredito serem interessantes.

Por que SUPERNOVA?
Por que SUPERNOVA vale a pena ser jogado? Por que eu vou jogar SUPERNOVA se posso jogar D&D, GURPS, M&M, Mundo das trevas e muitos outros títulos consagrados? O que o SUPERNOVA tem que o torna diferente de todos eles (Além de ser gratuito :))? Qual o seu ponto forte? E qual o seu ponto fraco?

Essas perguntas não costumam serem freqüentes, mas acredito serem fundamentas para a evolução de um sistema. As respostas para essas perguntas ditam o caminho para evoluir. Uma idéia é boa para o sistema? Sabendo o objetivo, as escolhas ficam mais fáceis.

Ainda existe um nicho nos títulos nacionais que o SUPERNOVA poderia ocupar. Pelo que pude observar, o combate é um ponto forte do SUPERNOVA e a maioria do conteúdo do manual tenta propor uma experiência de combate interessante e diversificada.

Até ai, não há muita novidade. Um dos sistemas que evoluiu por esse lado foi o D&D. Na quarta edição, os criadores objetivaram criar uma experiência de combate mais equilibrada em que cada personagem tem um papel importante durante o combate. O jogo se tornou mais tático, os efeitos menos decisivos e menos letais. As jogadas de dado, embora ainda sejam essenciais, não são tão importantes quanto antes. Fazer a vitória ou a derrota depender menos da sorte foi um dos objetivos do novo sistema e a quarta edição teve certo sucesso nesse processo. É algo novo que aprecio, mas a concretização dessas idéias criou alguns prejuízos ao sistema. Quem conhece a quarta edição percebe que parece um vídeo-game, os caminhos dos personagens são bem definidos e pouca coisa sai desse controle (para manter o equilíbrio).

É ai que acho que o SUPERNOVA poderia entrar. Criar uma experiência de combate única em que personagens com habilidades diferentes podem interagir de maneira a criar milhões de possibilidades. Muito disso já foi feito e acredito que seja esse um ponto forte do jogo. No entanto, acho que pode ser dado um passo além.

Algumas idéias...

Hit and Run: Embora seja algo simples, não me lembro de um sistema de RPG ter enfatizado esse aspecto do combate. Os inimigos fogem, os personagens fogem, todos fogem. A retirada foi uma das características fundamentais nas guerras da antiguidade. Vamos sair da Baralha e entrar na Guerra. Com esse simples conceito, muitas peculiaridades podem surgir. Regeneração ganha papel importante nos constantes combates, assim como a mobilidade. Como vencer um inimigo que pode escolher quando quer combater e quando quer recuperar suas forças? Uso de recursos, manobras e pontos devem ser pesados e avaliados.

Um exemplo:
O ninja com seus sentidos apurados detecta a aproximação de um grupo invasor. Suas técnicas superiores de furtividade o tornam praticamente invisível nas folhagens. Do alto de uma árvore seu chute preciso derruba um dos invasores que urra de dor por entre as folhas caídas. Antes de se aproveitar do oponente indefeso, o resto dos invasores avança sem destemor contra o ninja. Um pequeno corte na perna e a inutilização de uma de suas mãos foi o preço para o ninja por sua emboscada. Sua cortina de fumaça permite uma retirada elegante. Por entre as árvores e fora do alcance dos olhos vingativos dos invasores, o ninja percebe o alvo de seu ataque se levantar. Ele nem mancava agora, o ninja olhava com desgosto. A mão do ninja, no entanto, ardia em dor.

Combos: Efeitos especiais de ataques ganham novas dimensões quando podem ser acumulados em combos.
Exemplo: vou considerar dois personagens novos: o artilheiro e o corruptor.

O artilheiro tem habilidade excepcional e pode realizar grande quantidade de ataques em um turno, o dano por outro lado é bem modesto.

O corruptor tem poucos ataques e pouco dano, mas seus ataques corroem as defesas dos inimigos. Para cada ataque do corruptor as defesas do oponente são minadas até que seu ácido corrosivo atinge a carne do oponente.

Contra o artilheiro e o corruptor colocarei o Tanque, equipado com armamentos modernos e poder de ataque superior poderia vencer com facilidade dois artilheiros ou dois corruptores. No entanto, em um combate com um corruptor e um artilheiro a disputa não fica tão fácil. Enquanto o corruptor corrói as defesas do Tanque, os disparos múltipos do artilheiro que antes causavam apenas gargalhadas de seu oponente penetram fundo nas aberturas proporcionadas pelo ataque corrosivo.

Vou colocar aqui algumas idéias sobre habilidades diferentes:

Sede de sangue: o atacante sente o cheiro do oponente gravemente ferido. Sua sede de sangue propicia uma velocidade sobrenatural enquanto rastreia sua presa. Nem as melhores camuflagens permitem ao alvo escapar de seu olfato apurado.

Flechas de Sambia: Poucas coisas são mais perigosas do que o pólen da planta carnívora Sambia. Os inadvertidos insetos que se aproximam se suas vistosas flores são paralisados, seus corpos caem e servem de nutrição para às raízes da planta. Arqueiros especializados no uso da planta criaram as debilitantes flechas de Sambia. O impacto da flecha com seu alvo gera uma nuvem que lentifica suas vítimas e as impede de fugir dos próximos ataques.

Desafio de batalha: Com um grito sobrenatural o guerreiro desafia os invasores. Estimulados pelas vibrações, o sangue dos oponentes fervilha e poucos conseguirão resistir ao desafio de combate. Enquanto isso, os aliados do guerreiro têm tempo suficiente para organizar um contra-ataque aos invasores.

Bahamute, não tenho muitos pudores na hora de escrever meu ponto de vista. Em compensação, não fico ofendido com os comentários alheios e nem tenho receio de críticas. Se você achar que estou falando grandes bobagens não precisa se conter, ok? Mas quero meu direito de defesa :)

Avatar do usuário
Bahamute
Moderador
Mensagens: 2051
Contato:

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#22 » 23 Nov 2009, 19:01

Essa resposta era pra vir antes, mas a Spell ficou o dia todo fora... =D

Return escreveu:O Post de hoje vai ser um pouco diferente. Já que colocou a possibilidade de uma nova versão, vou colocar alguns pontos que acredito serem interessantes.

Por que SUPERNOVA?
Por que SUPERNOVA vale a pena ser jogado? Por que eu vou jogar SUPERNOVA se posso jogar D&D, GURPS, M&M, Mundo das trevas e muitos outros títulos consagrados? O que o SUPERNOVA tem que o torna diferente de todos eles (Além de ser gratuito :))? Qual o seu ponto forte? E qual o seu ponto fraco?


Bem, acredito que o sistema em si seja um diferencial.
Ele é bem simples de se aprender (há, necessáriamente, duas mecanicas, mecânica de testes e mecanica de dano (excetuando as perícias, que possuem uma mecânica a parte), para teste: Role 1d6 e compare o resultado com o atributo a ser testado, um resultado igual ou menor indica o sucesso, um resultado maior, indica uma falha. Para dano: Role 1d6 para cada ciclo do atributo (e 1d6 adicionais para variados, como Focus, caso o ataque seja elemental) e depois some o valor do atributo, mais modificadores variados (como arma, vantagem, etc)).

Excetuando as duas mecânicas básicas, outro ponto diferencial (e positivo, ao meu ver) é o fato já mencionado por ti, que é gratuito. Você não desembolsa um único centavo pra jogar.
Você baixa o manual, analisa e, se te agradar, usa.

Return escreveu:Essas perguntas não costumam serem freqüentes, mas acredito serem fundamentas para a evolução de um sistema. As respostas para essas perguntas ditam o caminho para evoluir. Uma idéia é boa para o sistema? Sabendo o objetivo, as escolhas ficam mais fáceis.

Ainda existe um nicho nos títulos nacionais que o SUPERNOVA poderia ocupar. Pelo que pude observar, o combate é um ponto forte do SUPERNOVA e a maioria do conteúdo do manual tenta propor uma experiência de combate interessante e diversificada.


Fico feliz que tenha achado isso. A parte de combate realmente é quando o sistema brilha.
As estratégias que os jogadores em minha mesa usam são incriveis e sempre originais.
É difícil ter um combate igual ao outro. Não é só: Ataco, Defendo, Conjuro Magias.
A gama de habilidades é grande, e há diversas ferramentas para customizar as estratégias.

Principalmente no que remete as técnicas de combate, onde elas se tornam fundamentais para a sobrevivência no combate. Quando elas são "combadas" com certas magias, o jogo fica ainda mais divertido. Não estou falando isso como o criador do sistema, mas sim como mestre e com satisfação de jogo.

Eu mestro 3 mesas, uma de SUPERNOVA, outra de D&D 3.5, e outra de D&D 4.0.
Supernova é uma das que mais me diverte.

Não esqueci das fichas, só estou tentando arrumar tempo para digitá-las.

Também vou pedir para um amigo que tem conta aqui no forum, vir opinar, pois ele é o arqueiro da mesa que eu mencionei.

Return escreveu:Até ai, não há muita novidade. Um dos sistemas que evoluiu por esse lado foi o D&D. Na quarta edição, os criadores objetivaram criar uma experiência de combate mais equilibrada em que cada personagem tem um papel importante durante o combate. O jogo se tornou mais tático, os efeitos menos decisivos e menos letais. As jogadas de dado, embora ainda sejam essenciais, não são tão importantes quanto antes. Fazer a vitória ou a derrota depender menos da sorte foi um dos objetivos do novo sistema e a quarta edição teve certo sucesso nesse processo. É algo novo que aprecio, mas a concretização dessas idéias criou alguns prejuízos ao sistema. Quem conhece a quarta edição percebe que parece um vídeo-game, os caminhos dos personagens são bem definidos e pouca coisa sai desse controle (para manter o equilíbrio).


Como mestre de D&D 4.0, eu discordo apenas no ponto de prejuízo.
Acho que o sistema evoluiu de forma MUITO gratificante.
Gostei bastante do fato das classes terem um equilibrio mutuo.
Adorei o conceito dos poderes e do guerreiro (minha classe favorita) não ser mais uma arvore de talentos ambulante.
Fora o fato de todas as magias (ou poderes) do mago necessitarem de uma jogada de acerto, e não mais terem o acerto automático ou um efeito letal sem direito a teste.
As classes também estão mais enxutas, estéticamente bonitas e mecanicamente funcionais...

Eu só vi pontos positivos no novo sistema.

E adorei o novo sistema de perícias.

Return escreveu:É ai que acho que o SUPERNOVA poderia entrar. Criar uma experiência de combate única em que personagens com habilidades diferentes podem interagir de maneira a criar milhões de possibilidades. Muito disso já foi feito e acredito que seja esse um ponto forte do jogo. No entanto, acho que pode ser dado um passo além.


Sim, pra isso estou criando três suplementos (o primeiro, Trevas & Luz, já está pronto e naquele link que te passei), o próximo, Terra & Ar está pela metade, e pretendo postar ele antes do fim do ano, e o último, Água & Fogo, sairá logo após o ano novo.

Eles trazem novas vantagens e magias, bem como algumas mecânicas diferenciadas para o combate e novas estratégias.
Por isso, eu disse que suas opiniões são mais do que bem vinda.

No futuro, pretendo lançar um SUPERNOVA 2.0, com tudo o que há de melhor no sistema, fundir o conteudo desses três suplementos, e corrigir todos os erros de mecânica.
Mas, isso é algo prum futuro distante ainda, por hora, o sistema está cumprindo seus objetivos =D

Return escreveu:Algumas idéias...

Ador idéias novas!

Return escreveu:Hit and Run: Embora seja algo simples, não me lembro de um sistema de RPG ter enfatizado esse aspecto do combate. Os inimigos fogem, os personagens fogem, todos fogem. A retirada foi uma das características fundamentais nas guerras da antiguidade. Vamos sair da Baralha e entrar na Guerra. Com esse simples conceito, muitas peculiaridades podem surgir. Regeneração ganha papel importante nos constantes combates, assim como a mobilidade. Como vencer um inimigo que pode escolher quando quer combater e quando quer recuperar suas forças? Uso de recursos, manobras e pontos devem ser pesados e avaliados.

Um exemplo:
O ninja com seus sentidos apurados detecta a aproximação de um grupo invasor. Suas técnicas superiores de furtividade o tornam praticamente invisível nas folhagens. Do alto de uma árvore seu chute preciso derruba um dos invasores que urra de dor por entre as folhas caídas. Antes de se aproveitar do oponente indefeso, o resto dos invasores avança sem destemor contra o ninja. Um pequeno corte na perna e a inutilização de uma de suas mãos foi o preço para o ninja por sua emboscada. Sua cortina de fumaça permite uma retirada elegante. Por entre as árvores e fora do alcance dos olhos vingativos dos invasores, o ninja percebe o alvo de seu ataque se levantar. Ele nem mancava agora, o ninja olhava com desgosto. A mão do ninja, no entanto, ardia em dor.


Gostei.
Pelo que li, você deve ter notado que a regeneração do sistema é algo fundamental para a estratégia. Que, por mais que sejam poucos dados, fora de combate a velocidade de recuperação é muito maior do que dentro de combate (uma vez que, teoricamente, uma rodada dura apenas 6 segundos).

Gostei do exemplo do ninja, e é algo que, com um pouco de trabalho dá pra simular com as regras.
Mas, acha que há a necessidade da criação de uma manobra (ou Vantagem) específica para isso?

Return escreveu:Combos: Efeitos especiais de ataques ganham novas dimensões quando podem ser acumulados em combos.
Exemplo: vou considerar dois personagens novos: o artilheiro e o corruptor.

O artilheiro tem habilidade excepcional e pode realizar grande quantidade de ataques em um turno, o dano por outro lado é bem modesto.

O corruptor tem poucos ataques e pouco dano, mas seus ataques corroem as defesas dos inimigos. Para cada ataque do corruptor as defesas do oponente são minadas até que seu ácido corrosivo atinge a carne do oponente.

Contra o artilheiro e o corruptor colocarei o Tanque, equipado com armamentos modernos e poder de ataque superior poderia vencer com facilidade dois artilheiros ou dois corruptores. No entanto, em um combate com um corruptor e um artilheiro a disputa não fica tão fácil. Enquanto o corruptor corrói as defesas do Tanque, os disparos múltipos do artilheiro que antes causavam apenas gargalhadas de seu oponente penetram fundo nas aberturas proporcionadas pelo ataque corrosivo.


Por incrivel que pareça, essa é uma regra disponível em jogo e que há grande uso (ao menos em minha mesa).
Há um jogador que abusa de ferrugem para danificar armaduras de oponentes, deixando-os sem a devida proteção, para depois, o restante do grupo faz o resto do trabalho causando uma grande quantidade de dano nos oponentes.

Por vezes, ele até emprega uma técnica no uso da ferrugem para melhorar o potencial destrutivo dela e danificar a armaduras (e, até mesmo armas metálicas) dos oponentes.

Return escreveu:Sede de sangue: o atacante sente o cheiro do oponente gravemente ferido. Sua sede de sangue propicia uma velocidade sobrenatural enquanto rastreia sua presa. Nem as melhores camuflagens permitem ao alvo escapar de seu olfato apurado.


Isso daria uma excelente Vantagem.
Um pouco especifica, mas muito boa.
Poderia até ser pensada como uma condição ou manobra.

Return escreveu:Flechas de Sambia: Poucas coisas são mais perigosas do que o pólen da planta carnívora Sambia. Os inadvertidos insetos que se aproximam se suas vistosas flores são paralisados, seus corpos caem e servem de nutrição para às raízes da planta. Arqueiros especializados no uso da planta criaram as debilitantes flechas de Sambia. O impacto da flecha com seu alvo gera uma nuvem que lentifica suas vítimas e as impede de fugir dos próximos ataques.


Um item que reduz deslocamento?
Deixa o oponente capaz de realizar apenas Ações? (e não Ataques Extras).

Um excelente atrativo.

Vou te passar um manualzinho que fiz pra usar em minha mesa, que são os Receptáculos do Poder, eles ainda não estão em sua versão definitiva, mas dá pra ter uma idéia de itens diversificados.

Gostei das flechas de Sambia.

Return escreveu:Desafio de batalha: Com um grito sobrenatural o guerreiro desafia os invasores. Estimulados pelas vibrações, o sangue dos oponentes fervilha e poucos conseguirão resistir ao desafio de combate. Enquanto isso, os aliados do guerreiro têm tempo suficiente para organizar um contra-ataque aos invasores.


Uma espécie de "taunt"?
Gostei do conceito, e também se tornaria uma excelente Vantagem.

Return escreveu:Bahamute, não tenho muitos pudores na hora de escrever meu ponto de vista. Em compensação, não fico ofendido com os comentários alheios e nem tenho receio de críticas. Se você achar que estou falando grandes bobagens não precisa se conter, ok? Mas quero meu direito de defesa :)


Tem todo o direito de defesa!

Como já disse diversas vezes, adoro ler criticas sobre o sistema, pois me mostra onde acertei e onde eu errei.
O que eu tenho que melhorar e que eu posso deixar como está!

Obrigado pelos comentários!
Aquele abraço!

Avatar do usuário
batosay
Mensagens: 50

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#23 » 01 Dez 2009, 01:55

[spoilerbox]Olá companheiros boa noite, sou amigo e jogador da mesa de supernova em que bahamute mestra (o arqueiro que ele mencionou), e vim aqui ajudar a debater algumas idéias ou interpretações sobre o sistema.Então, aqui vamos nós.

Return escreveu:Mais uma rodada :)

Estou aguardando as fichas...

Quanto aos ataques especiais, a minha idéia de tirar "um" no teste de habilidade era só um possível caminho. Vou elaborar ela um pouco.

Para cada 1 ou 2 no primeiro teste de habilidade para atacar de cada turno o personagem recebe um ponto de ataque especial. Ao completar 3 pontos ele pode usar um ataque x2 e com 5 pontos ele pode usar um ataque x3. Por probabilidade, os ataques x2 poderiam ser usados a cada 9 rodadas e os ataques x3 a cada 15 rodadas. É claro que os valores podem ser ajustados, diminuído ou aumentando a chance de completar um ataque especial. Ainda haveria anotação, mas seria bem mais simples.



Abraços


Impressionante ver uma idéia bem elaborada sem vir de jogadores '^^ da mesa, mas como jogador tenho algumas observações sobre isso que são mais dificeis pro bahamute perceber na posição de mestre ^^, que são: apesar de ser um caminho interessante para ser seguido esta forma de se "configurar" digamos assim a forma como o ataque especial é utilizado inibe bastante as possíveis estratégias e modelos de personagens que poderiam ser adotados pelo jogadores.Digo isso por 2 diferenças presentes no Ataque Especial original , a primeira é que original só acrescenta pontos na barra quando o alvo do ataque recebe ao menos 1 ponto de dano proveniente do ataque, remover isto do ataque especial iguala por exemplo o poder combativo de um conjurador com o de um combatente sem que o conjurador necessite do seu consumo de mana habitual(ele pode simplesmente atacar com cajadas que não causam dano até que sua barra encha, e só ai consumir de sua mana e energia para realizar um ataque realmente poderoso, assim evitando muito desperdício de recursos), o que causa um grande desequílibrio entre as 2 formas de personagem, e até mesmo entre 2 combatentes, uma vez que não há necessidade de causar dano, um jogador não precisa mais se preocupar em utilizar das possíveis combinações encontradas no jogo para equilibrar o poder de seus ataques com a quantidade de ataques por turno, ele pode simplesmente maximizar a quantidade de ataques por turno elevando assim as propabilidades (devido ao maior número de rolagens do dado) de aumentar sua barra de especial muito mais rápido de que um combatente que foca em menor número de ataque com maior poder, se tornando assim simultâneamente mais rápido e forte do que este segundo tipo de combatente).Entre outras palavras, confiar o "enchimento" da barra somente à probabilidade e não qualidade dos ataques pode causar desequilíbrio entre os diferentes tipos de personagem.A segunda e ultima diferença, mas não menos importante, é de que o ataque especial original enche conforme o personagem também recebe ao menos 1 ponto de dano do ataque, confiar o encheminto da barra a este tipo de probabilidade vetado somente ao primeiro teste de habilidade que o personagem realize a cada rodada remove esta característica, e juntamente com ela qualquer estratégia ligada a personagens quese focam em virarem reais "tankers" se assim podemos dizer, que dão a cara a tapa para proteger o grupo absorvendo grande quantidade de dano, e focam seu verdadeiro poder único e exclusivamente no ataque especial( uma vez enchem a barra rapidamente devido a quantidade de ataques recebidos, e por não poderem focar em ataques normais pois a maioria de seus pontos estarem dispostos em características defensivas).[/spoilerbox]

Return escreveu:Não entendi as manobras de Agarrar. Pareceu-me que com apenas um aliado (pode até ser um cachorro) um guerreiro com alto valor de força mata quase qualquer coisa. Afinal, uma força 2/15 sempre vai ganhar de uma 1/8 independente das jogadas de dados. Isto é, a vítima fica presa até o cachorro terminar de lamber os ossos.


Como o Bahamute ja fez questão de citar, realmente esta é uma manobra MUITO problemática :mrgreen:.
Ja venho a um bom tempo bolando uma idéia pra fazer ela funcionar melhor, tive uma idéia a um tempo atras e ja conversei com bahamute algumas vezes sobre ela, basicamente seria adotar para um personagem agarrado(ou em situação similar, como amarrado, pego de surpresa ou dormindo) o estado de "indefeso", e neste estado o personagem teria direito a uma redução natural do dano que seria algo referente a uma parte dos seus valores de defesa(apenas a metade, por exemplo, sem contar ciclos de defesa e contando no máximo apenas 5 pontos provenientes de armadura se estiver trajando),esse é apenas um esboço da idéia e poderia ser aplicado também para personagem em situação de queda(que é outra regra problemática xD),mas enfim, realmente só vou apresentar todas as minhas idéias oficialmente quando de revisar todas as regras até o final do e quando a campanha atual acabar, por isso se Bahamute acatar alguma idéia a respeito disso, tenho certeza que irá avisa-los ^^.Só mais uma coisa pra dizer a respeito desta regra, que apesar de parecer muito desiquilibrada( e realmente ser pelo menos nos primeiros níveis) é muito difícil enfrentar inimigos quando se está em um nível superior sem auxílio dela, pois se analisarmos atentamente o manual, existem mais possibilidades para incremento de defesa massiva(que podem até gastar muito mais pontos na ficha para serem concretizadas, porém, gastar muitos pontos não é problema para personagens de nível alto) do que de dano massivo,o que torna inflingir dano com ataques normais em um oponente de nível acima de 50, por exemplo, uma tarefa penosa, o porque então do agarramento se tornar tão interessante assim, só quis deixar isto claro pois sempre que pensarmos em agarramento temos que levar em conta também este desequilíbrio entre ataque e defesa que ocorre em níveis mais altos.


Return escreveu:Não vi citação no capítulo de combate sobre ataque de oportunidade, embora tenha referência a ela na pg. 17 na parte de combo. Existem ataques de oportunidade fora dessa situação específica?


Realmente não existe nomanual outras citações a ataques de oportunidade, apesar de uma situação semelhante ocorrer com um personagem que perseguia correndo lado-a-lado um ladrão na rua e quando o tentou parar para conversar recebeu uma cotovelada na cara como ataque de oportunidade(c/a diferença de que este não teve direito à defesa massiva, e sim somente a esquiva), mas acho que isto só ocorreu por ser uma situação isolada e proveniente única e exclusivamente da interpretação daquele momento, ja que dentro de combate um personagem gasta uma ação para correr, e uma outra para atacar,falar, enfim agir portanto as duas não estão vinculadas e não geram nenhum ataque de oportunidade, acho que nestas situações específicas vai do mestre mesmo decidir.
Mas fora isto eu realmente acho uma ótima idéia ataques de oportunidade, sempre gostei de jogar com personagem que utilizavam armas de haste ou que as se deslocavam muito em combate xD, e com isso podiam se beneficiar de ataques de oportunidade(da-lhe reflexos em combate).
Porem, acho que seria necessário rever todas as regras de deslocamento para incluir ataques de oportunidade no jogo, e por exemplo a regra de deslocamento estando "caído" no chão, ou rolando no caso, é uma regra relativamente nova(implantada mais ou menos há um mês) e ainda muito crua, então acho que esta bom assim `^^.



Return escreveu:Qual o benefício da Vantagem Vitalidade se pelos mesmos 3 pontos é possível comprar 3 pontos de resistência e ganhar 15 PV + 6 PE? O mesmo se aplica a mana extra.


Além do travamento dos valores de resistência, a vantagem vitalidade se torna benéfica quando empregada em raças que recebem menos pontos de vida p/ cada valor de resistência, como os elfos por exemplos, outro grande utilidade são na montagem de personagens mortos-vivos(uma vez que não podem possuir valores de resistência), e finalmente caso você leve em conta redução de valores dos personagens(esta possiblidade começa a existir no manual de suplemento do Trevas e Luz), onde existe uma vantagem que consegue reduzir os valores de um atributo dos inimigos à sua volta, e assim por exemplo, um personagem que tivesse investido 10 pontos em valores de resistência(se os tivessem reduzidos em batalha devido a alguma vantagem perderia com isso os 50 pontos de vida recebidos), já um personagem que tivesse gastasse 9pontos com 3 vantagens "vitalidade" ao invés, teria apenas 30 pontos de vida ganhos, em compensação esses mesmos pontos de vida não seriam afetados pela redução de valores por se tratarem de pontos de vida adquiridos com vantagens.Só lembrando que citei apenas a primeira menção à redução de valores, já havendo outras em outros suplementos ainda em produção, e em alguns itens utilizados em jogo.

Return escreveu:Qual o benefício da Vantagem retomar o fôlego se com ela o personagem gasta uma ação para ter 8PE (apenas uma vez ao dia) e com os mesmos 3 pontos em resistência ganha 15 PV + 6PE sem gastar ação e podendo ser reutilizado (descansando) durante o dia.


Só completando o que o bahamute citou, unicamente em QUALQUER situação em que o personagem não possui ao menos uma hora de seu tempo disponível para descansar e recobra alguns pontos de energia.O que convenhamos, em situação de batalha, são praticamente todas, além de que energia é provavelmente o mais importante meio de consumo que existe no jogo, ganhando de longe do famigerado Mp `^^, não existe nenhuma poção que possa recupera-lo, e ao contrário de zerar MP, zerar seus pontos de energia leva o personagem a ficar com algumas desvantagens safadas. :furioso: (odeio ficar sem energia)


Return escreveu:Como um arqueiro que tem inteligência 3 ciclos para poder utilizar recarga relâmpago gastaria os seus pontos de mana se o uso de armas mágicas não consome mana? Os PM são disperdiçados?


Opa arqueiro! é aqui que eu entro! :dança:

Você ja leu o sistema e como li nos seus posts anteriores, percebeu que se trata de um jogo de heróis, e desta forma(diferente de outros jogos) não limita os personagens criados pelo jogador a seguirem uma linha de criação que é presa ao título que aquele personagem possui(como guerreiro, mago, ladino, etc)
Falo de experiência própria, pois meu arqueiro é bem mais conjurador de que combatente, e utilizo a mana proveniente de meus 3ciclos+14valor entre aproximadamente as 12 magias que conheço, além de arremessar focus de veneno nos inimigos para paralisa-los em meus ataques extras(que gasta aproximadamente 36 de mana c/ os dois ataques extras, ouch!) e +16 para arremessar o mesmo tipo de focus com a vantagem contra-ataque,e quando me lenbro utilizo apenas o focus de trevas para cegar os inimigos(9m).Se contabilizarmos apenas os pontos de mana gastos com o contra-ataque e o focus de veneno já são 54MP(mais da metade do total que é 100MP), então minha mana não dá nem pra 2 rodadas se eu não controla-la direito lol.
E fiz questão de citar mais o uso de focus do que as magias em si, porque o focus é item comum em até fichas de personagens que são montados 100% combatentes, e independe da quantidade de inteligência de seu usuário para surtir efeito(apesar de que para dano, o focus puro é de longe o mais fraco do jogo, sendo bem utilizado na verdade somente os efeito que ele produz), ou seja a mana pode ser utilizada normalmente até mesmo por combatentes cabeça-dura que conseguem se beneficiar dela quando utilizam seu focus.

Bom é isso aew, qualquer dúvida, sugestão, opinião,ameaça(sauhsauhsuh) pode dirigir a mim também que eu fico feliz em dialogar, e assim que possível vou ler os outros posts menos recentes com mais atenção e comentar também.Flw!
e então ela decidiu caminhar no túnel... afinal, o túnel é um ótimo lugar para se caminhar...

Avatar do usuário
Bahamute
Moderador
Mensagens: 2051
Contato:

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#24 » 01 Dez 2009, 11:22

BATOSAAAAAAAAAAAAAAAAAY!

Cara, quando cliquei no link, ver novas mensagens, achei que era outro membro do Forum que tava respondendo (tem um usuário com o nick de batousai aqui), só depois que vi o avatar da felicia é que me dei conta que era você!
Aquele abraço!

Return
Mensagens: 5

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#25 » 01 Dez 2009, 12:10

Foi coincidência, mas recomecei a ver Dragon Ball Z por esses dias. Não tive como evitar de fazer uma analogia com o sistema do SUPERNOVA. Não sei se Dragon Ball serviu como referência, mas tem muitas similaridades. Em ambos, os oponentes tem a opção de se esquivar ou de defender.

Gostaria de recordar uma passagem que pode ajudar um pouco nessa questão do agarrar. Quando estavam combatendo o Raditz (o primeiro Saiyajin), Goku o segurou enquanto Piccolo utilizou sua técnica especial para matar Raditz e Goku junto. Na situação, a técnica de agarrar de Goku impediu que Raditz se esquivasse da poderosa técnica de Piccolo.

Quando confrontado com técnicas especiais muitas vezes é mais interessante esquivar do que defender, mesmo quando o defensor tem bons parâmetros de defesa. Uma manobra agarrar bem sucedida impede que o oponente se esquive ou fuja. Como prejuído para quem utiliza a manobra agarrar podemos colocar:

-Gasto de PE que permite um bônus no teste de força para agarrar um oponente mais forte ou para manter uma manobra.
-Para cada turno o oponente ganha um bônus na jogada para se libertar.
-Utilizar uma manobra agarrar permite um ataque de oportunidade do defensor (cancela a manobra se acertar) ou uma esquiva. O defensor não ganha essas opções se estiver surpreso.

Nesse contexto a manobra agarrar ganha uma utilização mais restrita. Principalmente para acertar ataques especiais e para se aproveitar de pontos fracos (cauda dos Saiyajin). E sua utilização depende de ludibriar o adversário.

Algumas comentários.

Ainda acredito que habilidade deveria ser como os outros atributos. Poderia ser mais ou menos assim, para acertar um oponente com habilidade igual a sua precisa ter sucesso em uma jogada de habilidade 3. Se o oponente tiver 5 pontos a menos de habilidade a jogada é feita com habilidade 4. Se tiver 10 pontos a menos a jogada é feita com habilidade 4 mais pode ser jogado duas vezes e assim vai. Esquiva seria um processo ativo também com uso da habilidade, mas quem esquiva não pode atacar ou tem custo em PE. O valor de habilidade também poderia ser utilizado para perceber ludibriações e escapar de técnicas de ilusão, entre outras.
Bom, é só uma idéia.

Outra coisa que acho que poderia ser interessante é ter um limite de pontos de esforço para serem utilizados em uma rodada. Isso faz com que seja mais demorado utilizar técnicas muito especiais e permite que os PE durem um pouco mais. E limita o uso de técnicas que gastam muitos PE por rodada, pois precisaria carregar antes.

Dessa vez é isso. Até

Avatar do usuário
Bahamute
Moderador
Mensagens: 2051
Contato:

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#26 » 01 Dez 2009, 13:14

Return escreveu:Foi coincidência, mas recomecei a ver Dragon Ball Z por esses dias. Não tive como evitar de fazer uma analogia com o sistema do SUPERNOVA. Não sei se Dragon Ball serviu como referência, mas tem muitas similaridades. Em ambos, os oponentes tem a opção de se esquivar ou de defender.


Dragon Ball Z foi, sem sombra de dúvidas, uma das fontes que mais inspiraram o sistema (principalmente na primeira versão (não a 1.0, uma ainda mais antiga que ela, que foi criada em 2001-2002, uma versão 0.0 (que também teve 4 upgrades, podendo dizer que chegou até a versão 0.4))

Mas, como você pôde notar, o sistema ainda é bem enraizado no animê. Muitas das vantagens e habilidades foram claramente inspiradas por ele (explodir o chi que o diga!),

Return escreveu:Gostaria de recordar uma passagem que pode ajudar um pouco nessa questão do agarrar. Quando estavam combatendo o Raditz (o primeiro Saiyajin), Goku o segurou enquanto Piccolo utilizou sua técnica especial para matar Raditz e Goku junto. Na situação, a técnica de agarrar de Goku impediu que Raditz se esquivasse da poderosa técnica de Piccolo.


Isso acontece muito no nosso jogo.
Sexta Feira passada, tivemos uma sessão, em que o grupo está combatendo uma Deusa.
Como ela possui uma defesa altissima, o grupo todo tinha sérias dificuldades para causar dano nela.
Um dos jogadores, que possui a maior força fisica do grupo, usando também de um Poder Oculto em Força, agarrou a Deusa, para que outro, pudesse causar dano na mesma.
O jogador que causou dano, usou a Vantagen Aprimoramento Arcano, e não obstante, executou a magia com um Ataque Especial x3. Conseguindo causar 300 Pontos de Dano na Deusa.

Isso foi o climax do jogo, pois, o jogador em questão, veio se guardano a batalha inteira pra conseguir fazer isso, enquanto o agarrador, ficou por horas tentando agarrar a Deusa (ela tinha muito mais força do que ele), e ele só conseguiu agarrá-la depois que a mesma recebeu uma técnica que reduzia a força em dois ciclos, e o Arqueiro (batosay) usou a magia enxarcar nela, reduzindo sua força em mais um ciclo.

Return escreveu:Quando confrontado com técnicas especiais muitas vezes é mais interessante esquivar do que defender, mesmo quando o defensor tem bons parâmetros de defesa. Uma manobra agarrar bem sucedida impede que o oponente se esquive ou fuja. Como prejuído para quem utiliza a manobra agarrar podemos colocar:

-Gasto de PE que permite um bônus no teste de força para agarrar um oponente mais forte ou para manter uma manobra.
-Para cada turno o oponente ganha um bônus na jogada para se libertar.
-Utilizar uma manobra agarrar permite um ataque de oportunidade do defensor (cancela a manobra se acertar) ou uma esquiva. O defensor não ganha essas opções se estiver surpreso.

Achei excelente o fator de gastar energia para agarrar. Como nunca pensei nisso antes!
Quanto ao bônus por turno, teria alguma idéia de como colocar isso?
Quanto ao Ataque de Oportunidade, é realmente um bom uso desse Ataque que faz tanta falta, e ainda ajuda a nerfar bem essa manobra, que é, deveras, poderosa!

Return escreveu:Nesse contexto a manobra agarrar ganha uma utilização mais restrita. Principalmente para acertar ataques especiais e para se aproveitar de pontos fracos (cauda dos Saiyajin). E sua utilização depende de ludibriar o adversário.

Gostei muito das suas opiniões. Vou adicionar a ela o fator do agarrado ainda continuar com sua defesa passiva (os valores de defesa apenas) e debater isso com o grupo.
De minha parte, está totalmente acatado. Ficou muito boa suas opções e ajuda a equilibrar bem essa manobra que é desequilibrada.

Obrigado!

Return escreveu:Ainda acredito que habilidade deveria ser como os outros atributos. Poderia ser mais ou menos assim, para acertar um oponente com habilidade igual a sua precisa ter sucesso em uma jogada de habilidade 3. Se o oponente tiver 5 pontos a menos de habilidade a jogada é feita com habilidade 4. Se tiver 10 pontos a menos a jogada é feita com habilidade 4 mais pode ser jogado duas vezes e assim vai.


Mas aí não complicaria demais durante o jogo? Ter de ficar parando para comparar habilidades toda vez que for realizar um teste?
Se a luta fosse de um grupo de 4 pessoas contra um único oponente, já seriam quatro comparações durante a batalha (tudo bem que, isso só seria feito uma vez, ou seja, na primeira vez que o atacante ataca).

Mas, caso fosse um grupo contra mais NPCs, as comparações aumentariam e atrasariam um pouco o combate e, se fosse (hipoteticamente falando) uma batalha de um pequeno exercito (algo viável, pois já foi utilizado) do grupo contra, cerca de 20 NPCs, atrasaria legal o jogo.

O que você acha?


Return escreveu: Esquiva seria um processo ativo também com uso da habilidade, mas quem esquiva não pode atacar ou tem custo em PE. O valor de habilidade também poderia ser utilizado para perceber ludibriações e escapar de técnicas de ilusão, entre outras.
Bom, é só uma idéia.

Você diz, integrar a Esquiva na Habilidade? Eu não entendi direito.
Quanto a Esquiva ter um custo de PE, eu não acho totalmente inválido, visto que ela, em muito, se sobressai sobre a Defesa.
Mas, vale lembrar que a Esquiva é uma roleta russa. Pois, dependendo do nível do combate (niveis altos), uma falha em esquiva pode resultar na morte.

Return escreveu:Outra coisa que acho que poderia ser interessante é ter um limite de pontos de esforço para serem utilizados em uma rodada. Isso faz com que seja mais demorado utilizar técnicas muito especiais e permite que os PE durem um pouco mais. E limita o uso de técnicas que gastam muitos PE por rodada, pois precisaria carregar antes.


Não lembro onde está (e se está) no manual, dizendo que Técnicas só podem ser usadas uma vez por rodada.
É justamente para isso, pra evitar que o personagem despeje duas técnicas numa única rodada e compromentendo o bom andamento do jogo.

Quanto a pontos de esforço, discorra mais sobre a idéia, é algo que eu achei interessante!

Obrigado, mais uma vez, pelos comentários, e por estar investindo tanto tempo no sistema!

Abraços!

(E, se morar em São Paulo (ou tiver disponibilidade para vir aqui), e quiser participar de uma mesa de SUPERNOVA, fique a vontede! É só avisar!)
Aquele abraço!

Avatar do usuário
batosay
Mensagens: 50

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#27 » 02 Dez 2009, 00:42

Return escreveu:Quando confrontado com técnicas especiais muitas vezes é mais interessante esquivar do que defender, mesmo quando o defensor tem bons parâmetros de defesa. Uma manobra agarrar bem sucedida impede que o oponente se esquive ou fuja. Como prejuído para quem utiliza a manobra agarrar podemos colocar:

-Gasto de PE que permite um bônus no teste de força para agarrar um oponente mais forte ou para manter uma manobra.
-Para cada turno o oponente ganha um bônus na jogada para se libertar.
-Utilizar uma manobra agarrar permite um ataque de oportunidade do defensor (cancela a manobra se acertar) ou uma esquiva. O defensor não ganha essas opções se estiver surpreso.


Tivemos uma linha de pensamento bem parecida nessa indagação sobre a manobra agarrar Return ^^.Na revisão que eu vou apresentar pro bahamute adicionei também custo de energia à manobra por parte do agressor, uma quantidade maior durante a primeira tentativa, e uma valor simbólico a cada rodada que ele consegue manter o personagem soprepujado.Quanto os ataques de oportunidade, como citei anteriormente são bem interessantes acho que pra qualquer jogo, mais meio dificeis de serem pensados nesta fase atual do sistema, seria necessário revisar algumas outras coisas antes.Só discordo um pouquinho de ambos,pq acho q no final das contams juntando um consumo de energia no agarrar com alguma espécie de defesa passiva do defensor, seja ela somente os valores inteiros de defesa, ou metade dos valores de defesa+armadura(que eu concordo mais, não por questão de números, e sim existe pq desta forma existe um bom senso maior em se considerar que ao mesmo tempo que um personagem não consegue se beneficiar completamente de sua defesa quando agarrado, nestes momentos sua armadura é sua maior aliada, ja que confere um tipo de proteção que depende necessariamente de movimentação por parte do defensor) a manobra agarrar ja fica bem equilibrada, pois como o próprio mestre ja sabe os valores de defesa dos personagens são bem altos no jogo, e considerar a defesa passiva ja seria um avanço enorme para a vítima do agarramento, por issu acho que adicionar qualquer outra penalidade como bônus para o defensor ou ataques de oportunidades iam nerfar ela bastante :/.

Return escreveu:Nesse contexto a manobra agarrar ganha uma utilização mais restrita. Principalmente para acertar ataques especiais e para se aproveitar de pontos fracos (cauda dos Saiyajin). E sua utilização depende de ludibriar o adversário.


De acordo 100% com o Baha, quanto mais vc ajuda a gente a estimular a mente e sacrificar alguns neurônios em Pró do Supernova, melhor!


Return escreveu:Ainda acredito que habilidade deveria ser como os outros atributos. Poderia ser mais ou menos assim, para acertar um oponente com habilidade igual a sua precisa ter sucesso em uma jogada de habilidade 3. Se o oponente tiver 5 pontos a menos de habilidade a jogada é feita com habilidade 4. Se tiver 10 pontos a menos a jogada é feita com habilidade 4 mais pode ser jogado duas vezes e assim vai.


:rolando: Pensa que me engana citando essa luta contra 20 NPC`s né baha? Ele só fala dela,bom... pq ela ja aconteceu (com o meu grupo), e foi mais ou menos isso minha reação quando vi a "horda" :putz:
Mas enfim, tenho que concordar com ele nisso, apesar da habilidade ser um atributo claramente superior do que os outros, ele é um dos únicos grande facilitadores da mecânica do jogo(bem facil de usa-la, se um jogador tiver que controlar simultâneamente seu consumo de energia( q é dificl), barra( q é mais dificil) e a diferença de probabilidades de acertos entre vários inimigos, bom, vai dar um trabalhão ^^.


Return escreveu: Esquiva seria um processo ativo também com uso da habilidade, mas quem esquiva não pode atacar ou tem custo em PE. O valor de habilidade também poderia ser utilizado para perceber ludibriações e escapar de técnicas de ilusão, entre outras.
Bom, é só uma idéia.


Quanto a esquiva ter um consumo de energia eu acho até mais do que válido, tanto que ela realmente ja têm ^^, todas as vantagens do jogo vinculadas à esquiva(exceto evasão) que são necessárias para tornar a esquiva realmente boa ja possuem consumo, e a própria esquiva sem vantagem nenhuma ja possue consumo de energia para um personagem que tente utiliza-la qualquer tipo de armadura(que seria mais ou menos o equivalente a 90% dos PC`s e NPC`s ja vistos na mesa), sendo possível negativar esta desvantagem gatando pontos e comprando a vantagem Esquiva c/armadura.Então acho que realmente não necessitaria de mudança.
Quanto a escapar de iludibriações e perceber ilusões, não se estou se enganado(confirma se to falando bestera ou não bahamute ^^) mais a perícia prontidão ja assume este papel, e ela possui um sistema de investimento de pontos igual ao de valores, normalmente 1 ponto p/ponto(só mudando o máximo de valor permitido)

E foi legal ter visto que vc pensou em valor para habilidade Return :pidao: , só pensamos em ocasiões diferentes ^_^ .Quando vc analisar direitinho as armas de fogo vai ver que elas são bem mais fortes que qualquer outro tipo de ataque no começo do jogo, e bem mais fracas no final, isto devido a seu valor travado e não evolutivo de dano, na revisão que vo passar pro baha idealizei uma regra pra valores de habilidade, só que voltada para a evolução do dano das armas de fogo, onde cada 2 pontos investidos em valor equivaleriam em 1 ponto de dano(Max de 30 de valor) e cada +3 pontos em tecnologia(Max 15) equivaleria a +1 ponto de dano tb.Desta forma seria possível diminuir o valor das armas de fogo, tornando mais razoaveis no começo, no meio quando alguns pontos ja tivessem sido investidos teriam o mesmo poder que possuiam, e mais pro final quando o personagem tivesse bastante valor em habilidade seriam mais fortes do que as armas de fogo de como estão agora, além disso isto traria a possibilidade de investimento em um personagem exclusivamente atirador(o q meio q não existe, como meu personagem por exemplo, que é um arqueiro 80% conjurador, um dos motivos foi justamente que a possibilidade de monta-lo exclusivamente atirador não é muito viável nas regras atuais), e finalizando, ainda por cima desta forma seria propagada o inestimento de pontos em pericia(grande problemão na mesa xD).



Return escreveu:Outra coisa que acho que poderia ser interessante é ter um limite de pontos de esforço para serem utilizados em uma rodada. Isso faz com que seja mais demorado utilizar técnicas muito especiais e permite que os PE durem um pouco mais. E limita o uso de técnicas que gastam muitos PE por rodada, pois precisaria carregar antes.


Eu acho que você entendeu errado baha ^^, acho que o Return quis dizer que os pontos de esforço ajudariam a limitar o uso de técnicas que gastam muitos Pe de uma só vez p/rodada, ou seja, fazendo com que o personagem não possa utiliza-la toda rodada.Não tinha nem chegado em cogitar pensar nisso.MAS GOSTEI! :dança: , mas já na vibe de simplificar o jogo, acho que poderia ser feito similarmente as "baforadas de dragão" de D&D, ao invés de mais anotações de ponto, e sim rolando o d6 para limitar o uso, por exemplo: uma técnica que gasta até 5 Pe pode ser utilizada somente uma vez a cada 1d6-4 rodadas, ou seja depois de utiliza o personagem rola o d6, se ele tirar de 1 à 5 no dado(considerando o valor mínimo 1,1-4=1 ,2-4=1 ,3-4=1 , 5-4= 1) ele ja podera utiliza-la novamente na próxima rodada, mas se tirar 6(6-4= 2) só podera utilizar daqui 2 rodadas, e este número seria diferente em diferentes faixas de consumo, exemplo: entre 6 e 10 Pe de energia que a técnica consuma seria 1d6-3, entre 11 e 15Pe`s seria 1d6-2 e acima de 15 Pe`s 1d6-1.Assim introduziriamos o fator "imprevisibilidade" para o campo de batalha, aumentando a tensão e fazendo aquele personagem pensar melhor em estratégias também sem o uso de técnicas e guarda-las mais para o momento apropriado, e também força-lo a montar estratégias adquirindo mais de 1 uma técnica( pois como em nossa mesa por exeplo, a maioria espera até ser de um nível maior e possuir bastante Ep`s, e adquire uma só tecnica que reproduz todos os efeitos do jogo), e além disso as lutas se baseiam muito em técnicas, amenizar isso um pouco realmente ia ficar interessante.
Bom, mas to só discorrendo um pouco da sua idéia, vê o que acha.

E realmente cara, se vc tiver interesse e residir em sampa fala com o baha que a gente esquematiza uma mesa, ia ser bom ter mais um "filósofo" no grupo pra debater umas idéias, se vcs combinarem algo me avisem que eu quero jogar nessa mesa tb :mrgreen:

Bom, é isso aew, e vou te dar um conselho Return, se quiser tocar em um ponto realmente fervoroso do jogo, faz uma pesquisa ai sobre as perícias, é um problemão, bem, ninguem quer investir nelas xD(tadinhos dos meus pontos), td mundo fica com dó de gastar pontos nelas, ja tenho algumas idéias de regras boladas aqui pra incentivar o pessoal a investir(como pré-requisito de vantagem que contenham valores de perícia) e alguns se livrar de alguns efeitos mágicos(como cair no chão, da magia tremor por exemplo) basear a resistencia em um teste de acrobacia(como equilibrio) ao invés do teste habitual de resistência.Mas se vc conseguir pensar em algo, toda ajuda é bem vinda!

E nem fala em dragonball bahamute que eu ja fico todo nostálgico, tanto que meu primeiro pesonagem de mesa foi um lançador de chi, lembra-se(maldita saga Z influenciadora, snif q saudades :triste:
e então ela decidiu caminhar no túnel... afinal, o túnel é um ótimo lugar para se caminhar...

Avatar do usuário
Brave Samurai Warrior
Mensagens: 281

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#28 » 12 Jan 2010, 21:23

Caro Lair,

Há alguns anos eu jogava o RPG D&D com um grupo de amigos, porém com o tempo o grupo foi separado e desde então não tive mais a oportunidade de desfrutar desse hobby magnífico que é o mundo do RPG.

Gostaria de manifestar aqui a minha gratificação ao conhecer o sistema de RPG por ti desenvolvido, pois achei um sistema interessantíssimo e muito simples e fácil de ser compreendido (visto que quando jogava D&D com meu grupo, tínhamos algumas dificuldades no decorrer das sessões devido à complexidade do sistema e perdíamos algum tempo procurando informações no material que tínhamos disponível.)
Acredito que se dispuséssemos de um sistema tão mais simples e agradável de jogo, poderíamos ter desfrutado ainda mais das nossas sessões (embora tenhamos nos divertido bastante com o D&D)

Ainda não terminei de ler o manual do SUPERNOVA, mas até onde eu li, gostei bastante, e esse sistema até me deu uma grande motivação para montar um grupo de RPG novamente.

Já tenho algumas pequenas dúvidas e acho que deverão surgir mais algumas até o final do manual, por exemplo:
Quando um personagem opta por esquivar-se de um ataque e obtém uma falha, ele recebe o dano total do ataque ou a sua armadura(somente a armadura) ainda reduz parte do dano?

Enfim, surgem outras dúvidas, que agora não me vêm à mente (vou terminar de ler o manual e vou anotar as dúvidas que surgirem), mas desde já gostaria de parabenizá-lo pelos excelentes trabalho e iniciativa para o desenvolvimento deste sistema.

Ao correr os olhos por este tópico, acho que vi alguém dizer algo semelhante à (e eu digo o mesmo): É de pessoas com esse tipo de iniciativa que o RPG - principalmente no cenário nacional - está precisando.

Meus parabéns, Saudações!

Avatar do usuário
Bahamute
Moderador
Mensagens: 2051
Contato:

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#29 » 13 Jan 2010, 16:25

Olá Brave Samurai Warrior, primeiramente, queria agradecer por ter baixado o manual e lido ele...

Muito obrigado pelos elogios e pelo comentário, é muito gratificante receber um feedback de qualquer tipo, em relação a um trabalho que foi empregado tanta dedicação.

Estou realmente feliz com seu comentário!

Brave Samurai Warrior escreveu:Gostaria de manifestar aqui a minha gratificação ao conhecer o sistema de RPG por ti desenvolvido, pois achei um sistema interessantíssimo e muito simples e fácil de ser compreendido (visto que quando jogava D&D com meu grupo, tínhamos algumas dificuldades no decorrer das sessões devido à complexidade do sistema e perdíamos algum tempo procurando informações no material que tínhamos disponível.)
Acredito que se dispuséssemos de um sistema tão mais simples e agradável de jogo, poderíamos ter desfrutado ainda mais das nossas sessões (embora tenhamos nos divertido bastante com o D&D)

Obrigado!
Após desenvolver o Supernova, eu meio que abandonei o D&D em si (tinha diversos trabalhos com ele, varios projetinhos), pra me dedicar mais o sistema. Não estou dizendo que Supernova é melhor, longe disso, mas, ele me traz mais diversão e prazer ao jogar e trabalhar (bem, acho que é pelo fato de ter sido um trabalho desenvolvido por mim, e ainda me dá aquele sentimento de pai pra filho... hahaha).

Brave Samurai Warrior escreveu:Ainda não terminei de ler o manual do SUPERNOVA, mas até onde eu li, gostei bastante, e esse sistema até me deu uma grande motivação para montar um grupo de RPG novamente.

Que legal, cara! Se você o conseguir, deixe uma nota aqui da sua experiência de jogo!

Brave Samurai Warrior escreveu:Já tenho algumas pequenas dúvidas e acho que deverão surgir mais algumas até o final do manual, por exemplo:
Quando um personagem opta por esquivar-se de um ataque e obtém uma falha, ele recebe o dano total do ataque ou a sua armadura(somente a armadura) ainda reduz parte do dano?

Se ele optar por se esquivar de um ataque, e falhar, ele recebe o dano total, mesmo estando trajando uma armadura. Lembre-se que, um personagem se esquivando de aramdura gasta Pontos de Energia ao fazer isso (a menos que possua a Vantagem Esquiva com Armadura).

Brave Samurai Warrior escreveu:Enfim, surgem outras dúvidas, que agora não me vêm à mente (vou terminar de ler o manual e vou anotar as dúvidas que surgirem), mas desde já gostaria de parabenizá-lo pelos excelentes trabalho e iniciativa para o desenvolvimento deste sistema.


Obrigado, se surgirem, fique a vontade para perguntar! Terei o maior prazer em respondê-las!

Brave Samurai Warrior escreveu:Ao correr os olhos por este tópico, acho que vi alguém dizer algo semelhante à (e eu digo o mesmo): É de pessoas com esse tipo de iniciativa que o RPG - principalmente no cenário nacional - está precisando.

Meus parabéns, Saudações!


Muito obrigado! Vou me esforçar para manter sempre a qualidade do trabalho nas futuras atualizações, e, aproveito esse espaço pra fazer um convite a você, e a todos que frequentam esse tópico (e leram o manual SUPERNOVA):

Criei um fórum de discussões acerca do sistema SUPERNOVA, pois comecei o trabalho de revisão de regras e implantação de novas coisas no sistema.
Nele, além do sistema em si, está sendo desenvolvido alguns projetos, suplementos e trabalhos para o sistema.

Em um futuro próximo será lançada a versão 1.7 do sistema, com o para consertar as falhas e algumas pontas (o sistema de perícia, antes muito penoso pra investir, foi totalmente remodelado, mais bem trabalhado e fácil de investir, e já está todo apresentado no fórum).

Se possível, dá uma passada lá!
Assim, você pode nos ajudar a desenvolver algumas regras, a debater outras, enviar material pro cenário e o que mais desejar! ^_^

http://supernova.forumeiro.com/forum.htm

Abraços, obrigado,

Lair "Bahamute" José
Aquele abraço!

Avatar do usuário
Brave Samurai Warrior
Mensagens: 281

SUPERNOVA - Sistema de RPG Genérico e Gratuito - ver.: 1.7

Mensagem#30 » 13 Jan 2010, 23:38

Olá, mais uma vez!

Terminei de ler o manual e tenho mais alguns comentários para fazer:

Primeiramente, achei o sistema de ciclos muito bom.
Gostei também do enfoque que o sistema traz na questão de o jogador ter de optar pela esquiva ou pela defesa na hora de receber um ataque.
Outro ponto interessante que gostei bastante foi a exploração em redor do atributo Chi: Uma inovação.
O esquema de utilizar os pontos conquistados com a subida de nível para adquirir melhorias para o personagem também ficou bom, pois parece bem pensado para que seja de um modo bem simples, mas que deve funcionar.
Achei o sistema de vantagens e desvantagens bem cirativo.

Agora, tenho duas dúvidas sobre as regras:
1ª Quando o jogador está na vez de atacar, para verificar se obteve sucesso ou falha, basta realizar um teste sucessivo de habilidade, rolando 1d6 e comparando o resultado com os ciclos de habilidade - menor ou igual = sucesso, maior = falha. (esta é para ver se compreendi essa parte da regra) Está certo?
2ª A barra de Ataque Especial só esvazia quando o jogador utiliza o ataque ou existe alguma ocasião especial em que ela também se esvazia ou diminui?

Tenho aqui também uma sugestão para futuras atualizações:
- Poderia ser criado um guia com fichas de montros NPC`s para uso do mestre, a fim de poupar trabalho deste na elaboração de uma campanha, por exemplo. (embora talvez isto seja complicado, devido ao fato de que o sistema pode ser utilizado para diferentes épocas no espaço do tempo.)

Bom, acredito que, por hora, é isso.
Acho que o sistema está bem elaborado e bem entrelaçado.
Ainda não identifiquei nenhuma falha grande no sistema, embora ainda não o tenha jogado. Além do mais, não sou um grande conhecedor dos outros sistemas de RPG. Conhceço razoavelmente bem apenas o D&D, e alguns outros conheço muito superficialmente.

Espero logo estar compreendendo bem as regras e conseguir montar um novo grupo de jogo para utilizar e testar o SUPERNOVA.

Salve e até mais!
Yesterday is history.
Tomorrow is a mystery.
And today?
Today is a gift. That's why we call it the present.

Voltar para “Outros Sistemas”

Quem está online

Usuários neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes