Inferno - O começo

Mostre seus textos, troque idéias e opiniões sobre contos.

Moderador: Moderadores

Avatar do usuário
kira_shaolin
Mensagens: 188
Contato:

Inferno - O começo

Mensagem#1 » 25 Out 2010, 20:33

Olá, pessoal da Spell RPG :)
Ano passado, comecei uma releitura de "A Divina Comédia", do Dante Alighieri. Gostaria de saber o que acham dela... pode ser?

Tenho apenas um capítulo digitado, pretendo postar mais depois. Mas antes, me digam o que acharam!!!
(Não esquecer que eu tinha 16 anos na época!)

Retirado de: http://contosdanevoa.blogspot.com/2010/ ... omeco.html


"Esse será um conto em primeira pessoa dividido em diversos capítulos. Claramente baseado na Bíblia Sagrada e em A Divina Comédia, peço para que aqueles que se consideram extremamente religiosos que não leiam os contos da série Inferno.

Muito grato,
Isaque Lazaro.












"E eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos; portanto, sede prudentes como as serpentes e inofensivos como as pombas." Mat. 10:16


------------------------------------------------------------------------------



Estava eu sentado em minha escrivaninha, e a lua brilhava lá fora um brilho amarelado. Minha alma triste se coloria em sépia, como aquela lua se mostrava. Minhas mãos não escreviam boas histórias, e era a única coisa que eu pensava saber fazer. O que eu faria então?

Sem boas estórias, eu seria um inútil nessa vida, não serviria para nada. Nunca fui um escritor excepcional, mas sem inspiração, eu não seria nem mesmo um escritor.
Livros de ocultismo residiam sobre minha mesa, toda forma de estudos sobre a mitologia estavam em minha estante. O paganismo dominava aquele aposento antes tomado pelo Feng Shui. Acabara de ler A Divina Comédia.

Naquele momento, invejei Alighieri do fundo de minha alma. Odiei-o, pois ele seria para sempre lembrado por ter visto os círculos do inferno. No entanto, se eu tivesse tido eu, com certeza faria um trabalho melhor!

...

Uma idéia veio na minha mente. Uma idéia de proporções idênticas á meu desespero e sofrimento. Era chagada a hora de ter renome, e para isso, eu faria a coisa mais imbecil que um ser humano jamais fez: Evoquei ás forças do Abismo.

- Ó, força que veio á minha presença. Muitos homens selam pactos contigo, e todos se arrependem. Estou ciente de meus feitos desde um simples adolescente. Conheço por lendas tua imensa força, e fui ensinado a temê-la, mas não temo mal algum! O Criador está com todos aqueles que odeiam as forças do Maligno, quer eles sigam o Caminho Celestial da forma tradicional ou não. Agora, Ó Maldito, apareça diante de mim, e ouça minha proposta!

Aí, o pesadelo começou.

Meu corpo já não mais me obedecia, e meus olhos não mais se abriam. Senti minha alma ligada no Mar Astral, onde os sonhos não são apenas sonhos. No entanto, eu estava completamente consciente de minhas ações.

Estava de pé no meio de um negro infinito, e uma luz fraca emanava de meu corpo. Uma presença negra olhava sobre minha existência, como um leopardo se esgueirando até uma pobre presa desavisada. No entanto, eu sabia exatamente o que vinha para mim.

E um forte vento circulou a área em que eu me encontrava. Esse vento cortante parecia um urro de dor, e meus sentidos se confundiam em meio á cólera infernal que tomava aquele lugar. Uma tontura me derrubou em meus joelhos, mas eu nunca fui fraco, e me levantei após um breve instante, apenas para notar três espectros diante de mim.

Um deles tinha um corpo com aparência humanóide feminino, e uma serpente envolvia luxuosamente seus braços espectrais. Já o outro era como feito de fumaça, no corpo de um homem. O terceiro e último tinha uma forma não humana, porém não era um animal. Grandes chifres emanavam da cabeça da colossal figura. Com um brilhante olhar, as outras duas sumiram.

- Demônio que diante de mim aparece, lhe peço para que ouça minha prece!

E respondeu-me a criatura, com uma estrondosa voz:

-Pois responda filho dos servos do Santo. Tendes me evocado, e com algo seu daqui sairei!

Um temor bateu meu peito.

- Veja, criatura abominável. Minh’alma não mais possui o dom para escrever. Sei que teus feitos em teu domínio são tomados de teu livre-arbítrio. E em sua infinita idade, deves ter criado engenhosas formas de punir os errados. Quero que mostre-me essas atrocidades. Mostre-me o que acontece com aqueles que fogem do caminho reto, para que eu possa contar ao mundo, e ter meu lugar no mesmo!

- Garoto irresponsável. Não sou eu quem pune os malditos, mas sim meu Pai. Sou apenas um instrumento sendo eternamente punido. Se quiseres ver o inferno, morra! E assim, te esperarei em meu trono. Que hás de dar-me em troca por essa pequena viagem em meu domínio de fogo eterno? – Respondeu a Besta, com sua imponente presença.

- Todo ser humano possui um pouco de cada pecado dentro de si. É isso que nos difere dos santos, e nos faz tão ricos de vida! Teste-me em cada círculo do inferno, e faça-me enfrentar minhas fraquezas! Se eu sucumbir ao pecado, me mantenha cativo para sempre em seu domínio de horror. Caso eu for forte, e minha alma não for pelos seus servos arrancada, eu saio do inferno, e pego meu lugar de direito na sociedade. Além disso, enquanto eu estou no Abismo, que a Terra permaneça parada, para que ninguém note minha ausência. Se eu falhar, que eu seja encontrado morto em corpo. Está de acordo?

Uma grotesca gargalhada deliciou-se com minha fala.

-Você acha mesmo que pode escapar de minhas tentações, garoto? A aposta está feita agora, e nada te fará voltar para sua vida! Por que faz esse trato com aquele que em uma fração de tempo corrompeu uma Igreja por completo?

Parei, e pensei. Por fim, respondi:

- Porque eu sei que assim, encontrarei redenção.

Um grande Vórtex então tomou meu corpo, levitando-o. Uma energia negra tentava invadir meu corpo, enquanto a luz de minha alma me impedia de ser tomado por aquilo. De repente, vi que pouco a pouco, eu ficava translúcido. Num último momento de racionalidade, gritei, em meio á imensidão de sons daquele vórtex:

-Senhor, nosso Pai que estás nos Céus! Entrarei na morada do inimigo, e não sei se de lá sairei. Sou apenas um servo, meu Pai, mas eu sei que apenas assim serei merecedor novamente de entrar em teu Reino de Glória. Senhor, conceda-me a força e a fé necessários para cruzar o lar do Maldito, e seu nome será eternamente por mim glorificado! Amém!

Com essas palavras, tudo se apagou. Desmaiei, e minha alma começou a ser levada para onde o horror começaria. Embarcava naquele momento no Inferno. "

Que acharam? :haha:
"Quando a alegria se torna tristeza e o bem estar infortúnio, as almas pacientes extrairão prazer mesmo da dor" - Provérbio Budista

Avatar do usuário
kira_shaolin
Mensagens: 188
Contato:

Re: Inferno - O começo

Mensagem#2 » 26 Out 2010, 10:57

Emil escreveu:Bem vindo mais uma vez, Kira.

Seguinte, é o que eu falo pra todo mundo: revisão sempre. E se você tenta manter o texto mais pomposo ou mais formal, pequenos erros acabam saltando aos olhos. Por exemplo:

Uma idéia de proporções idênticas á meu desespero e sofrimento


Acento errado duas vezes: seria o grave em vez do agudo, mas não há crase nesta construção. Além do mais, há vários casos de próclise depois de pontuação, nem curto.

O tipo de texto também não é meu preferido, mas fiquei curioso pra saber o que acontece.


Realmente, falhei feio. Sinto muito pelo erro infeliz, arrumarei ainda hoje.
Quanto ao estilo da escrita, ela é proposital. Minha idéia para essa minha primeira série era aproximar a forma de narração da usada na Bíblia. Agradeço por ter gostado do enredo!!!

Essa semana termino de digitar o segundo capítulo.

Até mais!
"Quando a alegria se torna tristeza e o bem estar infortúnio, as almas pacientes extrairão prazer mesmo da dor" - Provérbio Budista

Voltar para “Contos”

Quem está online

Usuários neste fórum: Nenhum usuário registrado e 2 visitantes