Membro fantasma

Mostre seus textos, troque idéias e opiniões sobre contos.

Moderador: Moderadores

Barlin
Mensagens: 731
Contato:

Membro fantasma

Mensagem#1 » 21 Jan 2011, 03:50

Certa vez observei um cadeirante. Estava à arremessar bolas em uma cesta de basquete - apesar da dificuldade. Ao chegar mais perto, perguntei se podia jogar com ele. Ele, com as pernas amputadas abaixo do joelho, fez que sim com uma condição:

- Pegue leve comigo, torci o meu tornozelo direito hoje de manhã.

Eu ri. Dizem que o preconceito está nos olhos de quem o vê. Nessas horas eu não entendo o que os outros dizem, já que o cadeirante estava com uma cara séria. Foi então que ele me explicou a situação, com uma calma de buda, acertando um arremesso livre:

- Eu estava saindo da cama, quando a cadeira me escapou e eu caí de mal jeito.

Todos tem os seus fantasmas. Assombrações, por assim dizer. Ele só foi errar no terceiro arremesso.

- Sempre tive o tornozelo fraco, e mesmo não tendo mais pé ou tornozelo, ainda sinto a dor de uma torção ou cócegas na sola do meu pé inexistente.

Penso se não fui ousado ou preconceituoso de rir dele. De sua maldição. De sua situação. Será maldade o senso de humor? Acertei o segundo arremesso consecutivo.

- Algumas religiões dizem que isso seria a comprovação da alma. O espírito não perdeu aquele membro, por mais que ele não exista mais no plano físico. Alguns cientistas dizem que o cérebro ainda possui aqueles nervos outrora ligados às partes amputadas.

Algumas religiões tratam fantasmas e assombrações através da reza. Alguns cientistas se empenham em explicar os fenômenos por trás de tais fantasmas. Eu ainda não entendo o porque de ter seguido o caminho que segui. Mandei uma Air Ball*.

- A pior parte é não conseguir ficar de pé, por mais que eu sinta os meus pés.

Lembro das vezes que minha criatividade estava a mil e não fui capaz de expressá-la. Ou aquele momento em que algo me impede de fazer alguma tarefa. Percebi por um breve instante o que deveria ser o dia a dia dele. Mais uma de três pontos para o dono das rodas.

- As mudanças podem parecer difíceis inicialmente, mas no final das contas é mais uma questão de adaptação em si. Claro que uma ajuda sempre é bem vinda, mas não adianta viver de ajuda.

Lembrei de quantos arremessos desperdicei. Talvez eu merecesse estar aonde estou.
Falta mais um arremesso livre para ele fazer vinte e um pontos. No final das contas, quem teve dificuldades foi eu.


*Air Ball: Quando um arremesso não bate nem na tabela, nem no aro da tabela de basquete.

Voltar para “Contos”

Quem está online

Usuários neste fórum: Nenhum usuário registrado e 3 visitantes